Há precisamente 1 ano desaparecia Eusébio da Silva Ferreira, o melhor jogador de futebol português da História, o mítico Pantera Negra. A 5 de Janeiro de 2014, o SL #Benfica perdia o seu grande símbolo e embaixador, e os portugueses recordaram, através de mensagens e homenagens vindas um pouco de todo o mundo, a influência e o impacto que Eusébio deixou no mundo do futebol. A sua estátua, em frente ao estádio da Luz, cobriu-se de flores, cachecóis e outras homenagens e o seu funeral foi um dos de maior afluência em Portugal. Artista da bola, criador de emoções e fiel depositário de memórias, Eusébio deixou uma marca  duradoura no imaginário nacional.


Eusébio marcou uma época de ouro do SL Benfica e do futebol português. Num tempo em que a rádio permitia uma cada vez maior penetração de conteúdos, Eusébio foi o primeiro rosto de um conjunto de equipas dominantes que permitiram ao clube encarnado ser claramente a equipa dominadora da década de 60 do século XX. Outros nomes foram importantes nessas equipas benfiquistas, como Coluna, Simões ou José Torres, mas Eusébio, o ponta de lança super-eficaz e o líder natural, foi aquele que levou muitos portugueses a tornarem-se benfiquistas. Eusébio marcou também uma página na história da selecção nacional, ao liderar a equipa na sua primeira participação no Campeonato do Mundo, em 1966, até a um magnífico 3º posto. Por entre uma prestação brilhante, ficou na memória o seu "poker" (expressão moderna) no jogo contra a Coreia do Norte, virando o 3-0 para 4-3 em cerca de meia hora de jogo, que viria a terminar 5-3 com mais um golo de José Augusto. Ficou também a forma como nunca desistiu da vitória na meia-final perdida contra a Inglaterra, e do seu choro convulsivo no fim do jogo.


Nas palavras de Ricardo Araújo Pereira, humorista célebre pelo seu benfiquismo, "Eusébio é outra maneira de dizer alegria. Eusébio é outra maneira de dizer Benfica." O funeral de Eusébio foi no dia seguinte, 6 de Janeiro. Num dia de chuva intensa em Lisboa, nada demoveu milhares de pessoas de prestar a última homenagem ao King.