Vítor Cardoso é investigador e professor no Instituto Superior Técnico e tem 40 anos. Ganhou, pela segunda vez, a bolsa do European Research Council, desta vez no valor de um milhão e meio de euros. A sua área de pesquisa resume-se à relatividade geral, buracos negros e ondas gravitacionais; estuda, em condições extremas, o comportamento das equações promulgadas por Albert Einstein. Segundo o jornal Observador, este dinheiro servirá para um projecto que começará em Janeiro de 2016 e se alargará até Dezembro de 2020.

Este financiamento permitirá ao investigador do CENTRA (Centro Multidisciplinar de Astrofísica) reunir uma equipa de 10 a 15 elementos, quase todos estrangeiros, e adquirir os meios tecnológicos que possibilitarão a continuidade dos estudos das equações de Albert Einstein em circunstâncias extremas, principalmente no que toca à astrofísica de buracos negros e de ondas gravitacionais.

Publicidade
Publicidade

Para Vítor Cardoso, estas bolsas servem para evitar que os melhores investigadores europeus 'fujam' para o Canadá e para os Estados Unidos da América, sendo que as bolsas já conquistaram a atenção de alguns investigadores do Novo Mundo.

Já em 2010 Vítor Cardoso fora galardoado com o mesmo prémio, na altura de um milhão de euros, para que pudesse, juntamente com a sua equipa, estudar a colisão de buracos negros. Os buracos negros constituem um interessante elemento de estudo, já que são uma zona do espaço com um campo gravitacional de tal forma intenso que nem a luz lhes consegue escapar. Assim, também a colisão de buracos negros é importante nas pesquisas de Vítor Cardoso, nomeadamente a fase de aproximação, no momento antes da colisão, devido à emissão de ondas gravitacionais. Para estudar estes efeitos, em 2010, o investigador formou uma equipa e adquiriu um supercomputador, de forma a conseguir perceber e observar os fenómenos do espaço.

Publicidade

Citado no Observador, Vítor Cardoso afirma que "o objectivo não é ganhar dinheiro, é fazer ciência". O português foi já vencedor do Prémio Gulbenkian de Ciência em 2002 e 2005, do Prémio para Jovens Investigadores UTL/Caixa Geral de Depósitos em 2008 e 2010, de uma bolsa Fulbright na Universidade do Mississippi em 2008/2009 e de Outstanding Referee Award pela American Physical Society em 2014, entre muitos outros. #Inovação