Lisboa e Porto são, segundo o Jornal de Notícias desta terça-feira, os locais onde o #Governo pretende vender as instalações militares de maior valor imobiliário. Ao todo serão 60 as instalações militares a entrar na lista para alienação, arrendamento, concessão ou permuta.

O Jornal de Notícias aponta o Castelo do Queijo, no Porto, e o Hospital da Estrela, em Lisboa, como dois dos imóveis em causa, num processo que entra na reestruturação das Forças Armadas, encetada pelo Ministério da Defesa. Também Évora, Faro, Figueira da Foz ou Valença terão imóveis à venda.

"Com a verba conseguida, o Governo pretende arrecadar o valor suficiente para financiar o investimento de 32 milhões de euros em infraestruturas militares", pode ler-se na edição impressa do Jornal de Notícias.

Publicidade
Publicidade

Segundo a RTP, a Manutenção Militar vai ser substituída por uma entidade pública empresarial. Esta ação insere-se num programa de modernização que deverá prolongar-se por 12 anos, prevendo o Estado amealhar 20 milhões de euros por ano, após 2016. Contudo, o Jornal de Notícias sublinha que os valores poderão ser revistos a cada ano, dependendo do contexto económico e de investimento.

O Forte de São Francisco Xavier, ou Castelo do Queijo, como é conhecido, localiza-se junto à Praça Gonçalves Zarco, no Porto. Não se sabe ao certo quando foi construído, mas há registo da sua utilização durante a Guerra da Restauração da independência portuguesa (1640-1668) e as Guerras Liberais (1828-1834), período em que foi bombardeado. Em 1934 foi classificado como Imóvel de Interesse Público e em 1949 foi cedido ao Núcleo da Brigada Naval da Legião Portuguesa do Porto, que se manteve ali até 25 de abril de 1974.

Publicidade

Atualmente encontra-se sob alçada da Associação de Comandos, Delegação Norte, e ali decorrem eventos culturais e de animação.

O Hospital Militar da Estrela encerrou a 31 de dezembro de 2013, após 177 anos a funcionar como local ao serviço do Exército. Era considerado o hospital central do Exército Português e apoiava, além de militares do exército, membros da Marinha, da Força Aérea, da Guarda Nacional Republicana e da Polícia de Segurança Pública.