A problemática da mobilidade reduzida afeta mais de 130 000 000 de pessoas por toda a Europa que sentem, todos os dias, dificuldades em entrar e usar os mais variados espaços públicos. Desta forma, é premente que estes se encontrem cada vez mais adaptados e equipados para responder às necessidades especiais desta população, transformando a acessibilidade numa exigência. Foi ao pensar nesta questão da importância da inclusão e da urgência em encontrar soluções eficazes e imediatas que Hugo Vilela, detentor dum Mestrado em #Inovação e Empreendedorismo Tecnológico pela Universidade do Porto, criou o site "Places4all", para que todos os lugares sejam efetivamente para todos.

Publicidade
Publicidade

Este negócio social teve origem no Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto e tem como objetivo avaliar, classificar e informar sobre as condições de acessibilidade dos diversos locais públicos.

O negócio contou com a colaboração de Miguel Gonçalves, da empresa FlowTechnology, que tomando contacto com o projeto, disponibilizou a ferramenta informática que permite fazer essa avaliação de forma automática através duma série de informações integradas que uma equipa de auditores recolhe, atribuindo-lhes, posteriormente, uma classificação que é depois divulgada no site. O Places4All é um projeto da Associação IMMENSA, uma organização que desenvolve soluções de inovação social que contribuam para a inserção de todas as pessoas nas cidades e pretende, assim, torná-las mais inclusivas e acessíveis a pessoas com alguma dificuldade de mobilidade.

Publicidade

O objetivo é, assim, encontrar, reconhecer e divulgar informação, em todos os formatos para que possa ser entendida por todos, sobre todos os espaços ou eventos com as melhores condições de acessibilidade e que assegurem o maior grau de autonomia ao maior número de pessoas com algum tipo de limitação, principalmente, ao nível da mobilidade, visão, audição e cognição. Todo este processo é realizado com a colaboração de pessoas com mobilidade reduzida e tem por base o cumprimento duma série de normas de acessibilidade que garantam a qualidade no atendimento e no turismo inclusivo, bem como outras necessidades específicas que garantam ao utilizador o máximo de autonomia, conforto e segurança.

Desta forma, com o Places4All, todos os proprietários de espaços abertos ao público podem adquirir um dístico de reconhecimento e divulgação das condições de acessibilidade do seu espaço, o que vai permitir uma informação mais imediata e facilitar a decisão aos seus possíveis utilizadores.

Publicidade

Cada área do espaço é, assim, classificada entre 1 a 3 estrelas, que correspondem, respetivamente, a espaços com condições mínimas (1 estrela) e espaços que possuem boas condições de acessibilidade (2 e 3 estrelas). As vantagens de adesão dos estabelecimentos públicos a este sistema são, exatamente, o poderem vir a ser reconhecidos como um espaço de referência em acessibilidade na cidade, a divulgação do seu espaço na plataforma, redes sociais, parceiros e guias turísticos e a avaliação detalhada com sugestões de melhoria ao espaço.

O projeto-piloto foi desenvolvido no Teatro do Campo Alegre, no Porto e o site, com informações sobre vários locais, já se encontra disponível. O próximo passo da equipa de Hugo Vilela é agora a criação duma aplicação para telemóvel.