O presidente da Cáritas, Eugénio Fonseca, considera que Portugal vive actualmente um grave problema social e que grande parte desse problema advém da situação económica que o país atravessa. Mais desemprego, mais pobreza e mais suicídios foram impactos sociais que a economia mundial provocou nos últimos anos. Apesar da recuperação, a situação social portuguesa atingiu pontos críticos e preocupantes.

Em entrevista à Lusa, Eugénio Fonseca afirmou que a crise e toda a situação económica têm vindo a matar aos poucos socialmente a nossa população. Segundo o próprio, o dinheiro deveria trazer somente felicidade e não criar desigualdades e injustiças, como acontece em todo o mundo.

Publicidade
Publicidade

O responsável abordou concretamente o caso português. " As pessoas andam desacreditadas e desmotivadas, não confiam nas suas capacidades. Esta situação instalou o medo a muita gente, estas sentem-se inválidas, um lixo", relatou o presidente da Cáritas.

Para além da situação dos últimos anos, a forma como toda a máquina capitalista "controla" a sociedade é desumana e muitas vezes vai contra a dignidade e respeito da mesma. " Para não perderem os seus empregos, as pessoas sujeitam-se a condições de trabalho que vão contra os seus ideais e valores mas, como têm medo de perder o seu emprego, aceitam termos degradantes. Actualmente, as pessoas trabalham até morrerem ou adoecerem, não importa a sua felicidade e bem-estar", desabafou Eugénio Fonseca.

Para o presidente da Cáritas, a solução está em investir e produzir para nós próprios, para a nossa riqueza e felicidade, assumindo que a sua batalha, e da Cáritas, vai ser lutar por um bem comum e não por interesses capitalistas e do lucro.

Publicidade

"A felicidade é contagiante. Se tiver uma pessoa feliz ao meu lado, eu automaticamente estarei mais feliz, mesmo que inconscientemente. Porém, o contrário também se aplica. É preciso apelar para um maior sentido cívico", rematou o presidente da Cáritas, parafraseando conhecidos e importantes filósofos, que durante todas as suas vidas dedicaram os seus estudos à compreensão do fenómeno sociedade.