"Não me deixe morrer, eu quero viver". Foi de forma emocionada que José Carlos Saldanha, doente com hepatite C que desespera pelo tratamento, tomou a palavra na Comissão Parlamentar da Saúde para confrontar o Ministro da Saúde. Paulo Macedo estava a ser ouvido a pedido do Partido Comunista Português sobre o caos que se vive nas urgências hospitalares, sendo que o tema da hepatite C também fora abordado por vários deputados, principalmente de partidos da oposição. Vários doentes que sofrem daquela doença assistiam à audição de Paulo Macedo.

Acompanhado pelos filhos de duas doentes com hepatite C - uma das quais acabou mesmo por perder a vida no passado dia 30 -, José Carlos Saldanha não se conteve depois de várias horas a assistir ao debate e interpelou o responsável pela pasta da Saúde do Executivo de Passos Coelho.

Publicidade
Publicidade

"Senhor ministro, a mãe do David morreu. Não me deixe morrer. Eu quero viver. Eu dei-lhe metade do dinheiro para o senhor ministro me dar o tratamento, escrevi-lhe uma carta, que o senhor não respondeu. Acabem com isto, por favor. Não há direito", declarou.

Visivelmente emocionado, e perante o olhar atento dos vários deputados presentes naquela comissão, José Carlos Saldanha dirigiu-se aos presentes, antes de deixar o aviso a Paulo Macedo. "Peço imensa desculpa, respeito a bancada e a todos os senhores", afirmou para depois alertar o Ministro da Saúde: "Mas a si, eu vou encontrá-lo".

Já no exterior da sala, José Carlos Saldanha sublinhou aos órgãos de comunicação social que só em Portugal é que "se vê esta pouca vergonha" e classificou ainda Paulo Macedo de "assassino". Recorde-se que este e muitos doentes que padecem de hepatite C aguardam pelo tratamento que lhes permita continuar a viver.

Publicidade

De resto, na passada quinta-feira, dia 29, José Carlos Saldanha fora entrevistado no Jornal das 8, da TVI, tendo frisado que "a guerra tem sido grande e o meu tempo de antena é bastante curto". Nas palavras daquele doente, "há uma cura e eu não percebo do que estão à espera", sentenciou.