"Estaria disposto a servir o seu país, em caso de guerra?". Segundo um estudo apurado pela Win Gallup e que colocou esta questão a habitantes de mais de seis dezenas de países, a maioria aceitaria voluntariamente defender a sua pátria. Contudo, os resultados são altamente discrepantes e as diferenças de resultados entre os mais variados países são significativas. Enquanto em países africanos as respostas são positivas, a Europa apresenta resultados maioritariamente negativos, em relação à pergunta colocada.

Num estudo altamente relevante em termos sociais e filosóficos, realizado online durante um mês, Portugal está na base dos países com menos respostas afirmativas à pergunta feita, à imagem da maioria dos membros da União Europeia.

Publicidade
Publicidade

Os resultados são claros: apenas 28% dos portugueses inquiridos defenderia a sua nação em caso de guerra, enquanto 47% afirmaram que não o fariam, os restantes 24% não responderam à questão. Com estes resultados, Portugal apresenta-se no décimo terceiro lugar a contar de baixo, na lista. Japão (11%), Holanda (15%), Alemanha (18%), Bélgica (19%) e Itália (20%) são os países com um número menor de respostas positivas.

Já no topo da tabela encontram-se países em desenvolvimento, sobretudo representantes do Médio Oriente e Norte de África, como por exemplo: Fiji, Marrocos, Paquistão, Vietname e Bangladeche, todos acima dos 85% de respostas positivas. Este contraste de resultados levantará naturalmente inúmeras questões sociológicas e demonstra ser um estudo de enorme importância para o desenvolvimento social da população mundial.

Publicidade

Se uns estão dispostos a correr riscos de vida para defender a sua pátria, porque é que outros não o estão? As conclusões, nas mais variadas ciências sociais, poderão ter um enorme interesse.

O estudo foi um sucesso, pois conseguiu encontrar padrões de resposta e, por isso mesmo, conclusões sustentadas. Um dos resultados mais significativos foi que apenas um em cada quatro habitantes europeus defenderia a pátria voluntariamente em caso de guerra. Surpreendido? Não é o único, muitos sociólogos não contavam com tais resultados. Mais de metade dos europeus (53%) não entraria na guerra, nenhum outro continente apresentou resultados semelhantes. Os habitantes do "Velho Continente" pensam e agem de forma diferente do resto do mundo, esta foi a principal conclusão deste estudo.