Edgar Vieira, técnico de saúde no Hospital de Angra do Heroísmo, viu-se de repente a trocar informações com jihadistas portugueses na Síria e no Iraque depois de ter criado uma página na rede social Facebook. Atraído pelo dinheiro que lhe prometiam, Edgar chegou a planear ir até à Síria ou para o Iraque. Contudo, a viagem não se chegou a realizar, pois foi apanhado pelas autoridades portuguesas. Depois de ter sido investigado pela polícia judiciária, o inquérito que tinha sido aberto a propósito desta questão acabou por ser encerrado, sem que se provasse na prática que tinha contacto com organizações terroristas.

Entretanto veio a saber-se, numa resposta à agência Lusa, que a Procuradoria Geral da República avançou com vários inquéritos para investigar os factos relacionados com o Estado Islâmico, sendo que nos Açores está tudo em segredo de justiça.

Publicidade
Publicidade

Esta confirmação por parte da Procuradoria surge depois de o semanário Expresso ter avançado que, pelo menos, dez jihadistas britânicos usaram Portugal como ponto de passagem para chegarem à Síria. Ao que tudo indica, terão estado escondidos, durante semanas, nos arredores de Lisboa, alegadamente recrutados por uma célula jihadista em Londres, e no topo estarão cinco imigrantes portugueses.

Fábio é um dos nomes mais falados de ligações portuguesas à jihad na Síria. Ele e outros quatro serão os cabecilhas desta célula, que desenhou um esquema entre 2012 e 2013 prevendo que os jovens ingleses se dirigissem para Lisboa antes de partirem para as fileiras do Estado Islâmico. Com este plano pretendiam despistar as autoridades britânicas. No Reino Unido, Fábio é também já uma figura referenciada e, na semana passada, voltou a aparecer numa das páginas do Sunday Times, citado com muitas referências em relação à vontade de matar em nome do Estado Islâmico.

Publicidade

Fábio é um dos vários portugueses, ou luso-descendentes, que estão na Síria, não se sabe ao certo quantos são estima-se que serão mais de uma dezena e, sabe-se que três deles já morreram na Síria e no Iraque. #Terrorismo