No 63º Campeonato Mundial de Ornitologia, que decorreu entre 22 e 25 de janeiro, em Rosmalen, na Holanda, António Rosa arrecadou 5 medalhas de ouro e uma de prata. Já Marco Lopes, também da Póvoa de Varzim, conquistou uma medalha de ouro com uma equipa de 4 pássaros.

António Rosa ficou conhecido como o "Mourinho dos Pássaros" há dois anos, quando conquistou 15 medalhas no campeonato do Mundo, na Bélgica, altura em que se tornou campeão mundial. Em 2014 conquistou 9 medalhas em Itália e com os títulos deste ano tem agora um total 37 a nível mundial, o que o torna no criador de pássaros mais pontuado. As suas conquistas colocaram ainda o nome de Portugal no topo da classificação, ultrapassando a Espanha, que está atualmente em 2º lugar.

Aos 51 anos, o "Mourinho dos pássaros" volta a pontuar e considera este feito como bom e motivador. "Poveiro de gema", como se intitula com orgulho, António Rosa considera que tem um dom, que lhe permite ter "uma boa genética de pássaros". O criador, que desde criança lida com aves, uma vez que o pai já tinha criação, acredita que da troca de aves que vai fazendo com outros criadores tem resultado o aumento da qualidade a nível global. "Nos concursos e nas exposições troco aves com criadores de todo o mundo e isso também contribui para que a qualidade aumente", referiu António Rosa, para quem a criação não tem segredos. "É preciso tratar deles, dar-lhes uma boa alimentação em vitaminas e muito empenho", contou, acrescentando que, para si, os Diamantes de Gould "são as aves mais lindas do mundo".

Já Marco Lopes, que começou a criar Diamantes de Gould há cerca de 8 anos, conquistou a sua primeira medalha de ouro numa prova mundial, no segundo ano que participa na competição. No entanto, desde 2006, que tem vindo a colecionar distinções em provas nacionais. Na Holanda apresentou uma equipa de 4 aves que somou 362 pontos, pontuação que o deixou satisfeito. "Uma medalha de ouro num mundial sabe sempre bem", reforçou o criador de 30 anos.

Sobre o motivo que o levou a criar estas aves, contou que nasceu no momento em que viu os Diamantes de Gould pela primeira vez, considerando-o uma "ave lindíssima". Marco Lopes dedica diariamente duas horas às suas 50 aves e sublinha que este título lhe veio dar uma maior motivação para continuar a criação.

A edição do próximo ano do Campeonato do Mundo de Ornitologia realiza-se em Matosinhos e tanto António Rosa como Marco Lopes estão já a preparar a sua participação. O Diamante de Gould é uma pequena ave vinda da Austrália e as suas cores fazem com que seja uma das preferidas dos criadores. #Animais