Segundo um estudo da Eurostat, divulgado a três dias do Dia Internacional da Mulher, de todos os países da União Europeia, Portugal é o país com uma maior diferença salarial entre homens e mulheres. A desigualdade entre géneros tem vindo a crescer desde 2008, representando actualmente 3,8%. Ao contrário do que tem vindo a acontecer em Portugal, Espanha, Letónia e Itália, países que têm vindo a aumentar o fosso salarial entre géneros, os restantes países europeus, como a República Checa, a Lituânia e Malta, registaram uma maior aproximação de valores relativamente aos salários auferidos entre homens e mulheres.

O estudo revela também que as mulheres são, ainda na maior parte das vezes, as mais destacadas para trabalhos em part-time, enquanto os homens são preferidos pelas entidades empregadoras para empregos a tempo inteiro.

Publicidade
Publicidade

O homem destaca-se também por a si lhe pertencer a maior taxa de empregabilidade, cerca de 74,2%, sendo que a mulher surge com um índice de emprego circunstancialmente mais abaixo, cerca de 62,6%.

Apesar de a mulher ser actualmente, e em comparação com o homem, a mais instruída ao nível de educação universitária, ainda não existe aceitação por parte das entidades patronais quanto à incorporação das mulheres em cargos de responsabilidade e de chefia. É também de salientar o facto de o sexo feminino auferir um valor médio menor em comparação com o sexo masculino mesmo para o desempenho do mesmo cargo ou para o exercício de funções similares.

Para contrariar a tendência manifestamente discriminatória na vida laboral, é necessário que exista uma mudança de mentalidade na estrutura das empresas, que passe pela implementação de medidas internas que promovam a contratação de mulheres para cargos em que revelem maiores capacidades e superiores competências.

Publicidade

Isso seria, com certeza, uma mais-valia, não só para as próprias empresas, uma vez que representaria uma lufada de ar fresco na metodologia de trabalho, como seria também encarado como um grande desafio que levaria à realização profissional do sexo feminino.