É o caso que está a chocar a população de Santa Maria da Feira. Uma mulher, de 36 anos, terá, alegadamente, pedido ao namorado, de 24 anos, que tivesse relações sexuais com a filha, uma menor de 13 anos de idade, para aferir se esta era virgem. Os abusos sexuais à menor terão ocorrido no último ano e ter-se-ão repetido, pelo menos, por quatro vezes. Numa delas, a própria mãe terá estado presente e terá participado da violação. A mãe da vítima e o namorado estão detidos, por violação, e o caso começou a ser julgado, na manhã desta sexta-feira, dia 20, no Tribunal de Santa Maria da Feira. A menor está entregue a familiares.

Este caso foi conhecido por denúncia da mãe da criança de 13 anos, acusando o namorado de ter violado a filha, mas admitindo os contornos macabros com que terá forçado a filha a ter relações sexuais com o arguido de 24 anos.

Publicidade
Publicidade

A mulher confessou o #Crime numa altura em que o namorado queria por fim à relação. Ao não aceitar a separação, terá tentado manipular o companheiro, ameaçando denunciá-lo às autoridades, o que veio mesmo a acontecer. Ao denunciar o namorado, acabou por também se denunciar, pondo fim a esta história insólita de uma mãe que permitiu que a filha sofresse estes abusos.

O casal conhecera-se pouco tempo antes, na sequência de um acidente de viação, tendo começado pouco depois uma relação amorosa. Eram os dois empregados fabris e num curto espaço temporal, após o início do namoro, decidiram viver juntos na casa da mulher de 36 anos, com a filha que tinha de uma anterior relação. Os abusos sexuais à menor terão começado pouco depois desta mudança, dentro da casa onde viviam, e, ao que tudo indica, a pedido da mulher, também arguida neste processo.

Publicidade

O pai da menor vive em Paris e poderá requerer, brevemente, a guarda da filha. Terá já confessado a indignação pelo sucedido e terá mesmo exigido uma indemnização aos arguidos no valor de cinquenta mil euros. O julgamento teve início nesta sexta-feira mas deverá prolongar-se. Este é mais um caso de violação e maus tratos infantis. #Justiça