Dois alegados terroristas espanhóis foram hoje detidos no aeroporto do Porto. A detenção foi confirmada pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), em comunicado enviado à agência Lusa. Os dois homens eram procurados pelas autoridades espanholas. No comunicado, o SEF informa que a detenção foi efectuada no Aeroporto Internacional Francisco Sá Carneiro, na Maia, na manhã de hoje, quarta-feira.

Os dois espanhóis preparavam-se para embarcar num voo com destino a Caracas, Venezuela. Um dos homens detidos é Héctor Naya e foi identificado com um passaporte falsificado venezuelano, adiantou o SEF no comunicado enviado à Lusa.

Publicidade
Publicidade

Naya, conhecido também como Koala, é membro do grupo Resistência Galega e já foi condenado por tal, adiantaram fontes policiais.

O jovem galego, activista independentista, preparava-se para embarcar no voo para Caracas, juntamente com outro jovem galego, identificado como Jaime MM, de dupla nacionalidade, espanhola e venezuelana. Segundo informações policiais, o segundo detido não tem condenações no registo criminal. As prisões foram efectuadas a pedido da polícia espanhola.

Koala, de 33 anos, terrorista procurado pelas autoridades espanholas, foi condenado a 11 anos de prisão, pelo Julgado Central de Instrução da Audiência Nacional de Madrid. Héctor José Naya Gil foi considerado culpado, juntamente com mais dois outros homens, num atentado à bomba. O crime foi levado a cabo no dia 4 de Agosto de 2012, no recinto de antenas de telecomunicações do monte Sampaio de Vigo, nos arredores da cidade mais populosa da Galiza, provocando prejuízos superiores a 7.000 euros.

Publicidade

A sentença foi lida em Dezembro de 2013 e Koala, ao contrário dos outros dois cúmplices que ficaram em prisão preventiva por risco de fuga, foi libertado mediante o pagamento de uma fiança de 6.000 euros.

A detenção de hoje, no Porto, impediu que Héctor Naya escapasse rumo à América do Sul. A Venezuela tem sido um destino habitual de terroristas da ETA, que aproveitam a escassa colaboração das autoridades venezuelanas nos processos de extradição. Os homens ficaram detidos em local não divulgado e serão agora presentes a tribunal, possivelmente na cidade do Porto. #Terrorismo