O socialista Henrique Neto, que foi uma das poucas vozes críticas de José Sócrates, quando este era primeiro-ministro, vai apresentar nesta quarta-feira à tarde a sua candidatura à Presidência da República, no Padrão dos Descobrimentos. Num comunicado enviado às redacções com o título "Vai acontecer", descreve-se um anúncio em que se pode ler "o país vai ficar a conhecer um candidato que é em primeiro lugar um cidadão comum. A nível profissional, evidenciou-se por uma enorme competência, poder de materialização e mostrou ao mundo o bom nome de Portugal".

"São várias as provas que foram dadas ao longo da sua vida. Um trajecto recheado de posições políticas firmes e muito claras - como é o caso da necessidade de uma rápida alteração do actual sistema político, para se fazer do mesmo uma referência na sociedade que se quer mais honesta, séria e transparente para todos, sem excepção", acrescenta o mesmo comunicado.

Quem é Henrique Neto?

Nascido em Lisboa em 1936 (78 anos), Henrique Neto foi viver para a Marinha Grande na sua adolescência, onde começou como aprendiz de operário, vindo a tornar-se mais tarde um industrial de referência. Em 1975, fundou a Iberomoldes - que em pouco tempo se tornou numa das maiores empresas mundiais do sector dos moldes.

Em termos políticos, foi alguém que lutou contra o antigo regime, tendo sido deputado pelo PS na década de 90. Foi sempre uma voz crítica de José Sócrates enquanto este era primeiro-ministro de Portugal e secretário-geral do Partido Socialista. Dirigiu-lhe, entre outros epítetos, os de "aldrabão", "velhaco" e "vendedor enganador de automóveis" ao agora antigo líder socialista.

Mais recentemente, numa entrevista dada ao jornal i, declarou que não ficou admirado com a detenção de Sócrates. "Não fiquei nada surpreendido com a sua prisão, aliás os indícios que eram conhecidos e que ainda estão para ser conhecidos do grande público, são mais do que muitos e evidentes. Por isso, não fui apanhado de surpresa, e a detençãosó peca por tardia. Até é bom sinal que isto tenha acontecido. A justiça ainda funciona em Portugal, felizmente", afirmou Henrique Neto.

O comunicado termina com um desafio lançado a todos os partidos, onde pode ler-se que "este próximo acto eleitoral pode ser útil para reformar o sistema político, que carece de uma rápida revitalização dado que os seus valores estão esquecidos. A política precisa que os portugueses voltem a acreditar nela para que haja um futuro risonho, com uma esperança renovada". Desta forma, Henrique Neto é o primeiro candidato oficial à Presidência da República, numa altura em que a comunicação social lança várias possibilidades.