"Toma banho porque cheiras mal", foi assim que João Araújo, advogado do antigo primeiro-ministro José Sócrates, dirigiu-se à jornalista, que fazia o seu trabalho à porta do Campus de #Justiça, depois de se ficar a saber a resposta negativa do Supremo Tribunal de Justiça sobre mais um pedido de Habeas Corpus. A jornalista em causa tentou obter uma resposta por parte do defensor do ex-governante português mas sem sucesso. A única coisa que obteve foi um par de insultos por parte do profissional de justiça.

Tânia Laranjo, jornalista do CM, já apresentou, entretanto, duas queixas: uma queixa-#Crime no Ministério Público contra o advogado João Araújo, e ainda outra queixa contra a Ordem dos Advogados.

Publicidade
Publicidade

"É uma vergonha o que este senhor me fez. Eu estava a fazer o meu trabalho, e se ele não queria falar, dizia. Já o fez anteriormente, portanto, não vejo razão para insultar-me". Questionada sobre os apoios que pode vir a ter, a jornalista acrescentou que Octávio Ribeiro, director do CM, já lhe disse que vai ter todo o apoio do jornal mas também do grupo: "Vou ter, para já, o apoio do Correio da Manhã e espero ter, também, o apoio do Sindicato da minha classe neste processo".

Todo este processo tem por base a atitude do advogado João Araújo, que se dirigiu à jornalista do Correio da Manhã de uma forma pouco habitual. Ao princípio desta tarde ficou-se a saber o desfecho de dois pedidos para libertar o antigo primeiro ministro de Portugal ao Supremo Tribunal de Justiça. A resposta foi negativa nesta instância judicial, e à saída do mesmo deu-se o episódio já retratado entre João Araújo e a jornalista Tânia Laranjo.

Publicidade

O director do Correio da Manhã, Octávio Ribeiro, já veio a público defender a sua colaboradora. "Estamos dispostos a processar o Dr. João Araújo que teve um acto profundamente lamentável. Isto é um ataque ao bom nome pessoal e profissional da Tânia Laranjo, que é uma excelente jornalista. Para além disso, entendemos que se trata também de um ataque severo ao nosso jornal, que tanto incómodo tem causado ao relatar os vários casos que vão acontecendo na nossa sociedade", disse Octávio Ribeiro, que exigiu ainda um pedido de desculpas do advogado de José Sócrates à sua jornalista.

Fonte próxima ligada ao Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados não se quis pronunciar sobre o caso, referindo só haver alguma comunicação depois de apreciar, em detalhe, todo o processo referente à queixa-crime apresentada pela jornalista do jornal Correio da Manhã.

José Sócrates vai continuar detido

O antigo primeiro-ministro ficará detido depois de ficar a saber o resultado final de mais dois pedidos para o libertar.

Publicidade

A apreciação foi feita pelo Supremo Tribunal de Justiça que entendeu que os recursos apresentados "não faziam sentido terem sido feitos". Referindo que há "o perigo de fuga do arguido, José Sócrates", refere o tribunal em comunicado divulgado às redacções.

É de recordar que José Sócrates está preso preventivamente desde o dia 25 de Novembro de 2014, no Estabelecimento Prisional de Évora, depois de ter sido detido a 21 do mesmo mês, no aeroporto de Lisboa, quando regressava de Paris. O ex-chefe de estado está indiciado por suspeita de crimes, como o de corrupção, branqueamento de capitais e fraude fiscal qualificada. Este caso, chamado de Operação Marquês, está catalogado com uma declarada ocultação ilegal de património e de transferências de milhões de euros.