A polémica com a existência de listas VIP de contribuintes fiscais teve um novo capítulo com a divulgação feita esta quarta-feira, dia 18, pela revista "Visão" das afirmações de Vítor Lourenço, chefe dos serviços de auditoria da Autoridade Tributária. Estas afirmações controversas foram feitas no dia 20 de janeiro à margem de uma ação formativa ministrada a inspetores estagiários. Fazendo fé na gravação, fica comprovado que existe mesmo uma lista com nomes de personalidades que não podem ser alvo de consulta pelos funcionários do fisco. A totalidade da gravação é divulgada já na próxima quinta-feira, dia 19, pela "Visão" e parece deitar por terra a versão do Governo e do Fisco relativa à polémica lista VIP de contribuintes.

Publicidade
Publicidade

Segundo Vítor Lourenço, e de acordo com uma gravação da formação a que a Visão teve acesso e que divulgou esta quarta-feira no seu site, "existe neste momento um pacote de identificação de cidadãos com lugares políticos que nós sabemos em online quem está a ter acesso a eles". O chefe dos serviços de auditoria da Autoridade Tributária (AT) confidenciou também que "a AT tem referenciado um grupo de pessoas, cujo acesso de qualquer funcionário ao histórico fiscal faz imediatamente soar os alarmes. Elas são personalidades mediatizadas e que ocupam cargos políticos".

O dirigente do Fisco disse mesmo que as Finanças "não podem divulgar quem consta nesse pacote, que entre aspas chamamos 'pacote VIP' e que deteta em tempo real eventuais acessos indevidos". Vítor Lourenço também manifestou a existência de colaboradores da Autoridade Tributária com processos disciplinares em curso motivados pelo acesso indevido ao cadastro contributivo de personalidades que fazem parte do "pacote VIP", sobressaindo o primeiro-ministro Passos Coelho.

Publicidade

Esta divulgação surge num dia em que se sucedem os desenvolvimentos relativos a este caso, já que o Diretor da Autoridade Tributária, Brigas Afonso, apresentou a sua demissão, sendo que o pedido foi imediatamente aceite pelo Ministério tutelado pela ministra Maria Luís Albuquerque.