São 116 as cidades e vilas portuguesas que amanhã, 28 de Março, vão desligar as luzes, durante uma hora, para alertar os cidadãos para a necessidade de uma mudança de comportamentos face às alterações climáticas. A Hora do Planeta, que se realiza há nove anos, vai acontecer em 172 países de todo o mundo.

A maior parte dos eventos irá incidir sobre alguns dos monumentos mais emblemáticos das diversas localidades, sendo desligadas as respectivas iluminações públicas. Desta forma, os quase 120 municípios pretendem passar uma mensagem aos munícipes para as questões climáticas que poderão estar a pôr em causa a vida humana.

Publicidade
Publicidade

Em alguns locais a iniciativa está a cargo de organizações, entidades e instituições que promovem, também, outras acções e eventos, como jantares à luz de velas ou simples caminhadas. Tudo em prol da defesa do meio #Ambiente.

A Hora do Planeta é uma acção da organização de defesa do ambiente WWF que em Portugal apresenta vários embaixadores. Os embaixadores são figuras públicas de diversas áreas de actividade que, com a sua notoriedade, pretendem ajudar a sensibilizar os cidadãos para os objectivos centrais da iniciativa. Entre os embaixadores encontram-se nomes como Nuno Markl, Ana Galvão, Merche Romero, Maya, Garret McNamara, Sandra Cóias, Joana Seixas, Sylvie Dias, Beatriz Figueira e Quimbé.

Em Portugal o epicentro da acção está previsto para Lisboa, no Martim Moniz, onde será recriada uma vila eco-colorida integralmente sustentável.

Publicidade

No entanto, o apagão irá atingir muitos monumentos por todo o país, com destaque para o Cristo Rei, em Almada, Castelo de S. Jorge, em Lisboa, Palácio Nacional da Pena, em Sintra, ou o Santuário de Bom Jesus, em Braga.

Já a nível mundial, o apagão acontecerá, também, na Torre Eiffel (Paris) e na Ponte Golden Gate (San Francisco). Estão previstos mais de 1.200 alvos distribuídos por diversos países como França, Brasil, Estados Unidos da América, China, Maldivas, Filipinas ou Madagáscar.

A primeira acção aconteceu, há nove anos, em Sydney. Mas rapidamente aquele momento simbólico espalhou-se um pouco por todo o planeta sendo hoje considerado como um dos maiores movimentos populares do mundo no sentido de despertar consciências para a defesa do meio ambiente, realizado em mais de 7.000 localidades de quase 200 países.