Belmiro de Azevedo, o mais velho de oito filhos de um carpinteiro e de uma costureira, é, juntamente com Américo Amorim e Alexandre Soares dos Santos, um dos homens mais ricos de Portugal. Fruto do seu trabalho construiu um dos maiores impérios empresariais na democracia portuguesa, à frente da Sociedade Nacional de Aglomerados e Estratificados (Sonae). E ao mesmo tempo que os seus lucros aumentavam, alargou ainda o âmbito dos seus #Negócios a novas áreas. Exemplo disso são os hipermercados Continente; as telecomunicações, através da Optimus; ou os media, com o jornal Público.


Hoje com 77 anos de idade, abandonou recentemente (no passado dia 10 de Março), ao fim de 50 anos de carreira, o seu lugar de chefe máximo da administração da Sonae. Para trás deixa um legado que o faz ser visto por muitos como o melhor e mais importante empresário do pós 1974.


Nesta ocasião, o jornalista António Freitas de Sousa, do jornal "Diário Económico" apresentou os 10 mandamentos ou ideais que nortearam a vida do empresário, que se tornou conhecido por nunca se inibir de criticar os vários governos independentemente da área política que fossem.


Os 10 Mandamentos de Belmiro de Azevedo


1. Pensar como um líder ou candidato a líder (nas suas empresas não há lugar para acomodados nem medíocres);
2. Evoluir do trabalhador competente tecnicamente para a posição de Homem culto em geral;
3. Ter disponibilidade para sacrifícios e resistência física às responsabilidades;
4. Saber ouvir e aceitar criticas, as quais se deve reagir e replicar, evitando retaliações;
5. Apreço pelo trabalho dos seus subordinados, cuidando das suas condições no trabalho e conhecimentos;
6. Preservar internamente e externamente o carácter;
7. Elevada exigência pessoal, sabendo equilibrar os deveres consigo próprio, com a sua família, com a sua empresa e com a comunidade;
8. Aceitar desafios e lutar pelo desenvolvimento da carreira, sabendo perder sem ressentimentos;
9. Forte e rigoroso respeito pelo código ético e deontológico;
10. Procurar a excelência: adulto no pensamento, firme sem ser duro na decisão e corajoso sem ser aventureiro na acção.


Belmiro de Azevedo continuará a ser o dono maioritário da Sonae, mas agora ao leme da empresa, que é uma das maiores empregadoras do sector privado, estará o seu filho Paulo Azevedo e o seu homem de confiança Ângelo Paupério.