Os dois suspeitos que foram alvo da perseguição policial que vitimou os dois agentes da Polícia de Segurança Pública, pertencentes à esquadra de São João da Talha, conheceram hoje, dia 9 de Março, a sua sentença. Aos indivíduos foi atribuída uma pena suspensa de sete e outra de nove meses, a ser cumprida aos fins-de-semana. No acidente, que ocorreu perto das 12h00 do dia 25 de Fevereiro entre a Bobadela e Sacavém (Loures), dois agentes da PSP, com menos de 30 anos, mais concretamente um de 23 e outro de 26, acabaram por ser colhidos por um comboio de alta velocidade quando perseguiam dois suspeitos de um assalto a uma residência. A idade dos suspeitos, um de 17 e outro de 19 anos, foi um factor determinante para o Tribunal de Loures atenuar a pena.

Publicidade
Publicidade

Apesar dos jovens não terem estado presentes na sessão para a leitura do acórdão, o tribunal decretou que o indivíduo de 17 anos deverá cumprir uma pena de prisão de nove meses, enquanto o suspeito mais velho irá cumprir mais dois meses. Este terá ainda de pagar uma multa de mil euros pelo #Crime de arma proibida, e uma indemnização de 150 euros ao dono da casa assaltada. Este sistema de prisão por dias livres permite que os indivíduos possam ter uma vida normal durante a semana e que o fim-de-semana seja passado na prisão.

A leitura da sentença, que deveria ter acontecido já na passada quinta-feira, dia 5 de Março, acabou por ser adiada por um erro no sistema de gravações, o que obrigou a uma repetição da sessão. Foi gravado de novo o depoimento das três testemunhas presentes: dois agentes da PSP, que confirmaram a descrição dada pelos colegas sobre estes dois suspeitos, e o morador da casa suspeita de assalto.

Publicidade

De acordo com o Tribunal da Comarca de Loures, ficou comprovada a participação dos suspeitos no assalto a uma residência, suspeitando-se ainda da participação de mais um indivíduo que até ao momento ainda não foi capturado. Depois de lida a sentença, os advogados de defesa consideram rever as provas para avaliar se vale a pena recorrer da decisão ou não. #Justiça