A história de Simba, um Leão da Rodésia com quatro anos, não é uma história invulgar. Mas a onda de solidariedade e de revolta que está a gerar em todo o território nacional tem sido notícia. José Diogo Castiço e a mulher Andreia Mira, os donos de Simba, publicaram um post na rede social Facebook a denunciar a morte do seu cão, no passado Sábado, dia 7, em Monsanto, concelho de Idanha-a-Nova. Segundo a mensagem emocionada de José Castiço, o Leão da Rodésia foi morto a tiro, alegadamente por um vizinho do casal, por volta das 15horas.

O post do Facebook já conta com mais de 2500 comentários de apoio e mil gostos. José pede justiça e apela para que a morte do Simba "não seja em vão".

Publicidade
Publicidade

"Precisamos de justiça e acreditamos tanto na do homem, como na de Deus, que nunca falha e nunca tarda", acrescenta. Ainda segundo o post, os donos do Leão da Rodésia ouviram "dois disparos na propriedade ao lado e um ganir agudo". Seguidamente, o "Simba veio a cambalear, deitou-se ao lado dela [Andreia Mira], foi emergido em beijos com sabor a pólvora, lágrimas e sangue e descansou, para sempre".

A onda de solidariedade nacional já gerou uma petição pública, que já conta com mais de 88 mil assinantes. A petição "Fazer justiça pela morte do Simba" pretende fazer chegar o caso ao primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, ao Partido pelos #Animais e pela Natureza, e ao Ministério do Ambiente. As razões que terão levado um vizinho do casal a abater o Simba ainda não foram confirmadas. Em declarações ao PÚBLICO, Diogo Castiço revelou que nunca teve qualquer problema significativo com o vizinho.

Publicidade

Revelou ainda que Simba era "simpático para todos".

Ainda no mesmo dia, os donos do Simba apresentaram uma queixa-crime no posto territorial da GNR de Monsanto, sendo que entretanto já foram apresentadas mais duas queixas, nomeadamente por invasão de propriedade e destruição de bens e, ainda, por ameaça através de mensagem telefónica. O "melhor amigo" de Diogo e Andreia foi enterrado no dia seguinte, Domingo, sendo que na terça-feira, dia 10, o corpo foi exumado de forma a proceder-se à autópsia.

O objetivo da luta de José Diogo Castiço e Andreia Mira é transformar o Simba num "símbolo nacional contra os maus-tratos a animais".