Esta terça-feira, 14 de Abril, o Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública (SINTAP) esteve reunido com o Conselho Diretivo do Instituto de Mobilidade e Transportes (IMT), com o objetivo de resolver os problemas que têm originado grandes atrasos nas emissões de cartas de condução e de matrículas de automóveis. Resultante desta reunião, sabe-se que o Instituto de Mobilidade e Transportes tem, agora, a capacidade para emitir as cartas de condução num prazo estimado de 5 dias. Quem estiver interessado deve apresentar o seu cartão de cidadão ou, na falta deste documento, uma fotografia e a assinatura digitalizadas.

De acordo com um comunicado, embora se tenha falado em problemas informáticos, as dificuldades de organização do tempo de trabalho, a falta de pessoal e os "problemas de gestão" foram apontados como as principais causas dos atrasos nas emissões de cartas de condução e de matrículas de automóveis, nos anos anteriores. Os "problemas de gestão" estão intimamente ligados ao facto do Instituto de Mobilidade e Transportes (IMT) estar há dois anos à espera da publicação dos seus estatutos. O IMT, nos últimos anos, não tem sofrido substituição ou renovação de trabalhadores, sendo que estes têm saído voluntariamente, por aposentação ou por outros motivos.

O Sindicato declarou que os trabalhadores do Instituto estão "empenhados e dedicados" à realização de um trabalho suplementar, sendo que das 260 mil cartas de condução com a emissão em atraso, "foram já emitidas cerca de 100 mil cartas de condução", fazendo o alerta de que as restantes vão seguir o mesmo caminho, num prazo aproximado de 30 dias. No mês de Abril, estes trabalhadores já serão remunerados, ao contrário que se aconteceu no ano passado.

Ainda nesta reunião, foi discutida a possibilidade de negociar um Acordo Coletivo de Empregador Público (ACEP) e o regulamento do horário de trabalho, para que situações de atrasos nas emissões de cartas de condução e matrículas de automóveis não se voltem a repetir.