Em apenas dois dias registaram-se já cinco mortes vítimas de homicídio. O mais grave aconteceu esta terça-feira, dia 28 de Abril, pelas 9 horas da manhã num café de uma freguesia da Póvoa do Varzim. Também ontem, segunda-feira 27 de Abril, um outro homicídio acabaria por tirar a vida a um homem de 73 anos. Ambos os homicidas encetaram ainda uma fuga acabando por ser detidos pelas autoridades.

O #Crime que aconteceu esta terça-feira na freguesia de Estela, Póvoa do Varzim, no café São Tomé, acabou por tirar a vida a quatro familiares, cujas idades rondavam entre os 30 e os 70 anos. O crime cometido por Paulo Silva, de aproximadamente 40 anos de idade, terá tido como ponto de partida uma questão de partilhas.

Publicidade
Publicidade

De acordo com as informações disponíveis, as vítimas mortais são a ex-mulher, o enteado e os ex-sogros do homicida. Tudo terá acontecido no café que é propriedade dos ex-sogros do autor deste homicídio e apanhou toda a família. Há ainda a registar uma vítima com ferimentos ligeiros que, ao que tudo indica, será o próprio filho de Paulo Silva e da vítima mortal, que com apenas 16 anos ficou ferido ao tentar desarmar o pai. Depois de cometido o crime o homicida tentou ainda uma fuga, tendo sido detido junto da fronteira, algum tempo depois, quando tentava fugir para Valença, Espanha.

Na passada segunda-feira ocorreu um outro crime que acabou por vitimar, ao final do dia, um homem de 73 anos, Ilídio Pedro. O homicida, conhecido por Pedro Maluco, era na verdade Pedro Cipriano, um homem de 45 anos que disparou três tiros de caçadeira à queima-roupa sobre o seu vizinho enquanto este trabalhava com um tractor na terra.

Publicidade

O crime aconteceu na localidade A-dos-Pretos, em Maceira, Leiria.

Também neste caso o homicida pôs-se em fuga sendo capturado duas horas mais tarde sem oferecer resistência, num pinhal a pouco mais de 500 metros da sua habitação. Contudo, neste caso ainda não se conhecem os contornos que o levaram a cometer tal acto, apesar de toda a vizinhança alertar para o facto de o homicida implicar com tudo e com todos.