Em apenas quatro dias este é já o segundo caso de maus-tratos por parte das figuras paternais sobre as crianças. O pequeno Henrique, de apenas seis meses, foi uma das vítimas depois de ter sido morto à facada pelo próprio pai no decorrer da semana passada. Agora foi a vez de uma outra criança, Maria Isabel de três anos, ter sido espancada pelo padrasto. O #Crime ocorreu no bairro do Zambujal, em São João do Tojal, Loures.

A ocorrência registou-se pelas 9h30 da passada sexta-feira, dia 10, quando o padrasto da criança, e suposto agressor, que ficou encarregue de tomar conta enquanto a mãe das crianças trabalhava, se deslocou a casa de uma vizinha pedindo para que chamassem os bombeiros, na ocasião afirmou que a criança tinha caído na banheira.

Publicidade
Publicidade

A criança foi logo encaminhada para o Hospital de Santa Maria, em Lisboa, correndo risco de vida, e as autoridades sem acreditarem que tivesse sido um mero acidente. Contudo, a criança acabou por não resistir aos ferimentos, vindo a falecer no sábado.

Internado também no mesmo hospital encontra-se o irmão da vítima mortal, Carlos, de apenas 4 anos de idade. Dois dias antes do acidente que haveria de levar as duas crianças ao hospital, Maria Isabel havia confidenciado já ao avô materno, Manuel João Sequeira, que os hematomas na cara do irmão tinham sido causados pelo "tio Felinho", o suposto agressor. Esta não era já a primeira vez que a criança surgia com nódoas negras e hematomas, mas atribuídos, até agora, a pequenas quedas ou escorregadelas próprias da idade. Neste momento a criança permanece internada a fim de averiguar a profundidade dos hematomas.

Publicidade

Quanto ao homem que terá espancado as duas crianças foi logo detido pelas autoridades, sendo que já foi presente a um juiz de instrução criminal e está a aguardar julgamento, apesar de não ter admitido o crime, em prisão preventiva. Já João Barata, o pai que esfaqueou o bebé na semana passada, primeiro começou por assumir a culpa, enquanto agora afirma não se lembrar do que aconteceu.

Porém, resta a dúvida, o que leva um pai a infligir tamanhos maus-tratos?