Mariano Gago, doutorado em Física pela Faculdade de Ciências da Universidade de Paris, e professor catedrático do Instituto Superior Técnico morreu esta sexta-feira aos 66 anos. Portugal perdeu uma grande individualidade, a ciência perdeu um grande cientista e o Partido Socialista perdeu um grande apoiante e amigo. Foi o primeiro-ministro da Ciência e da Tecnologia em Portugal, pasta que abraçou nos governos socialistas de António Guterres, entre 1995 e 2002, e depois de José Sócrates, entre 2005 e 2011.

António Costa, Secretário-Geral do PS, prestou a sua última homenagem aquele que foi, enquanto dirigente académico, um resistente contra a ditadura, um dos mais ilustres cientistas portugueses, um verdadeiro visionário, tendo publicado, em 1990, o manifesto para a ciência em Portugal, uma das obras mais importantes do ponto de vista científico.

Publicidade
Publicidade

Costa considerou que o seu companheiro Mariano Gago foi um governante exemplar, sempre disposto a lutar pelos interesses nacionais e a defender as causas em que acreditava.

Também Paulo Portas não deixou de se pronunciar após a triste notícia do falecimento de Gago. Portas referiu que, apesar das discordâncias a nível partidário e das divergências políticas, respeitava intelectualmente Mariano Gago e que será, sem dúvida, uma grande perda para Portugal do ponto de vista intelectual. Para o dirigente do CDS é inegável a marca deixada pelo ex-ministro do ponto de vista científico.

Mariano Gago foi o político português que mais tempo desempenhou as funções de ministro, tendo tido este cargo durante doze anos. Hoje, Portugal deve a Mariano Gago o fato de ter colocado no centro das políticas para o desenvolvimento a Ciência e de ter colocado no centro da ambição política a sociedade do conhecimento.

Publicidade

Teve a preocupação incansável pela democratização da cultura científica através do lançamento do programa "Ciência Viva".

Mariano Gago era o atual presidente do Laboratório de Instrumentação e Física Experimental de Partículas. Sofria de cancro e tinha piorado nos últimos tempos.