A Parque Expo já teria feito uma operação parecida em Fevereiro, com a entrega do Pavilhão de Portugal ou "Pavilhão Atlântico", como era conhecido, ao Estado (agora conhecido como MEO Arena). Esta sexta-feira, dia 10, entregou o Oceanário de Lisboa e um outro edifício de apoio, de modo a saldar parte da sua dívida. Esta empresa pública, criada para gerir a EXPO 98, referiu num comunicado que o "montante global desta operação foi de 54,2 milhões de euros". Acrescentando ainda que este empréstimo foi conseguido por causa da empresa se integrar agora no sector da administração pública.

O plano para o Oceanário de Lisboa, segundo a Parque Expo, passava por manter a propriedade no Estado, adoptando, ao mesmo tempo, um modelo de "concessão da actividade de exploração e administração".

Publicidade
Publicidade

Segundo este plano, um dos objectivos da empresa após a regularização da dívida será passar para o Estado os activos do uso portuário da Marina do Parque das Nações. Ainda está a ser realizado um plano de liquidação desta empresa, estando previsto estar concluído até ao próximo ano. Este plano passa pela redução dos recursos humanos, por participações financeiras, conclusão de projectos que estejam ainda a ser realizados e por gerir as intervenções de requalificação urbana e ambiental. Este plano relembra ainda que a passagem da Gare para a gestora da infra-estrutura Refer já foi concluída, decidindo dar continuidade aos projectos inseridos no programa de requalificação urbana e ambiental, denominada Polis. Este plano de liquidificação foi aprovado a 23 de Fevereiro pelos accionistas da Parque Expo, que antecipam um valor total líquido de menos 2,1 milhões de euros.

Publicidade

O balanço oficial indica um activo de 131,4 milhões de euros, montante a receber da Câmara Municipal de Lisboa e dos lotes de terreno que estão à venda. Neste valor estão incluídos as receitas referentes ao Oceanário de Lisboa e ao Pavilhão de Portugal. O total passivo atingiu o valor de 232,3 milhões de euros, tendo neste momento um capital negativo de 100,9 milhões de euros.