Está prestes a começar mais uma aventura do açoriano Pepe Brix. O fotógrafo, natural de Santa Maria, expôs recentemente o seu trabalho fotográfico "Código Postal: A2053N", resultado de uma viagem de três meses à Terra Nova a bordo de um dos últimos navios de pesca ao bacalhau. Agora vai partir numa viagem de mota, com outros três amigos, ligando assim Portugal à República Popular da China.

Na próxima sexta-feira, dia 1 de Maio, estes quatro amigos, Pedro Roque, Hélder Serôdio, Nuno Pires e Pepe Brix, vão partir do Padrão dos Descobrimentos, em Lisboa, numa viagem que terá a duração de dois meses, conduzindo assim até Beijing e fazendo outra vez o percurso de regresso a Portugal.

Publicidade
Publicidade

Com partida anunciada para as 10:30, hora de Lisboa, a viagem terá início no emblemático monumento que simboliza a expansão ultramarina portuguesa. Tal como o Infante D. Henrique também estes quatro jovens, que se assumem "orgulhosos da nossa Portugalidade", querem transportar "um pedaço da nossa pátria".

Numa viagem em que os custos são elevados, o grupo criou mesmo um projecto de crowdfunding, com o qual se pretende que amigos, apoiantes e adeptos, possam dar uma pequena contribuição para esta aventura. Como forma de agradecimento, todos aqueles que apoiarem a causa com o valor de sete ou mais euros poderão, depois de terminada a viagem, receber em sua casa um conjunto de postais representativo da viagem. O dinheiro que conseguirem angariar servirá para atenuar os custos da viagem que só entre formalidades e vistos ultrapassa já os 1500 euros por pessoa.

Publicidade

Apesar de estarem habituados a longas #Viagens, esta apresenta algumas situações mais preocupantes, uma vez que terão de passar por países onde os confrontos militares os tornam pouco hospitaleiros, nomeadamente no Médio Oriente. De acordo com o fotógrafo açoriano a viagem foi pensada mesmo com essa preocupação e será feita de pequenas etapas. Do percurso Pepe assegura que vão "passar pela Turquia, com destino ao Irão, mas passando a norte da Síria e do Iraque com uma distância grande da zona problemática".

Caso queira seguir a aventura destes amigos pode acompanhá-la através das redes sociais e da página criada para esse efeito (Lisboa-Pequim-Lisboa). Aqui, Pepe promete publicar as dificuldades e as vitórias da viagem, sendo que pode ainda fazer um acompanhamento do grupo através de GPS.