É junto à praia de São Martinho do Porto, mais propriamente em Alfeizerão, que um grupo de empresários chineses quer construir o primeiro condomínio de luxo para cidadãos originais da China que queiram investir em Portugal e obter um visto gold para poderem circular livremente no continente europeu.O objectivo é concentrar na zona estes estrangeiros que, para conseguirem uma autorização de residência em solo português, são obrigados a investir pelo menos 500 mil euros no sector imobiliário nacional.

O projecto foi idealizado pelo empresário Xie Liu, após ter vindo ao casamento da irmã com um português natural de Alfeizerão, há três anos atrás.

Publicidade
Publicidade

"O meu cunhado apaixonou-se por este local", adiantou ao jornal SOL Carlos Pereira, que é natural da zona, acrescentando que foi a partir dessa altura que o empresário decidiu apostar no país e dar a hipótese de mais chineses o fazerem também. Para a ideia sair do papel, Xie Liu e o seu grupo de empresários aguardam apenas a autorização da autarquia e do Ministério da Agricultura para iniciar a obra.

Ao longo dos sete hectares de terreno prevê-se erguer um bairro luxuoso e excêntrico chinês com 57 moradias com cerca de 300 m2. As glamorosas casas vão todas ter um jardim privado e estarão orientadas para um lago artificial que será construído no centro do terreno, respeitando a filosofia oriental Feng Shui. Para além disso, está também arquitectado um hotel com lojas e SPA, piscinas cobertas e descobertas, campos de ténis e uma escola privada onde se ensine mandarim mas também o português.

Publicidade

A energia consumida no local será sustentada por painéis solares introduzidos no local, que alimentarão toda a luxuosa Chinatown. Será ainda erguido um jardim oriental que torneará todo o condomínio.

O presidente da Câmara Municipal de Alcobaça, Paulo Inácio, em entrevista ao jornal SOL, admite que um projecto desta dimensão, avaliado em 35 milhões de euros, "é muito importante para a região". O Presidente da Câmara Municipal já se reuniu com os empresários chineses duas vezes, no ano anterior. Sabe-se que o condomínio será usado como centro de #Negócios que podem ocorrer de forma sossegada e discreta.