Depois de uma longa reunião durante esta tarde, dia 15 de Abril, a decisão está tomada e é vinculativa. Os pilotos da TAP vão fazer greve durante 10 dias seguidos, começando a paralisação no dia 1 de Maio e irá durar até ao dia 10 do mesmo mês. A decisão foi tomada numa reunião de 5 horas, e a votação foi inequívoca. 305 pilotos votaram a favor, 43 pilotos contra e houve 11 profissionais que se abstiveram. Esta decisão que foi tomada em Assembleia Geral, foi tornada pública há poucos momentos.

Os pilotos reclamam que o #Governo não está a cumprir as medidas que tinham sido acordadas de parte a parte, numa reunião que envolveu os dirigentes nacionais com os profissionais da aviação, no final do ano passado.

Publicidade
Publicidade

Pedro Passos Coelho lamenta a decisão dos pilotos e avança que todos deveriam "remar juntos e no mesmo sentido" para manter a empresa de pé.

No comunicado de 30 pontos, do Sindicato de Pilotos de Aviação Civil (SPAC) e dos pilotos da TAP, pode ler-se o incumprimento do governo em pontos que já anteriormente tinham sido acordados e afirmam que o acordo que foi assinado em Dezembro não está a ser honrado - opinião discordante do Presidente da TAP, Fernando Pinto, que recusa estas acusações por parte do grupo de pilotos.

Dentro de algumas queixas e outras exigências, os pilotos pedem o levantamento de alguns processos disciplinares que creem ser despropositados. Os pilotos reclamam que é urgente e essencial mandar um sinal claro a possíveis investidores da TAP para que entendam a orientação que a empresa vai assumir futuramente.

Publicidade

A greve terá "consequências desastrosas"

Fernando Pinto pede razoabilidade ao grupo de pilotagem, e afirma que uma greve de pilotos vai ter "consequências desastrosas" para a empresa. Mesmo com a preocupação da paralisação de Fernando Pinto, os pilotos não recuaram e vão manter a greve para os 10 dias que tinham adiantado. A altura desta paralisação é também ela simbólica, pois acontece exactamente um mês antes da data de abertura de recepção de propostas vinculativas para a compra da empresa de aviação.

Após o comunicado, as operadoras turísticas ficaram em alerta. A paralisação vai ter consequências imediatas para as agências de turismo, porque vai inibir as viagens já agendadas de muitos clientes, que terão voos marcados com a TAP entre o dia 1 e 10 de Maio.

O Ministro da Economia irá reagir ao comunicado esta noite. #Negócios