Os distritos de Braga e Viana do Castelo lideram o ranking das apreensões de contrafação. À margem de uma ação de doação de artigos apreendidos, na cidade de Viana do Castelo, Pedro Gaspar, inspetor-geral da Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE), revelou que 82 por cento das apreensões na área da contrafação, a nível do território nacional, são realizadas nos distritos de Braga e de Viana do Castelo.

"Existem grandes centros de distribuição nestas áreas. A venda ocorre nas grandes feiras", afirma o inspetor-geral da força policial ASAE, referindo ainda que nestes dois distritos do Minho existem também grandes centros de produção de material contrafeito.

Publicidade
Publicidade

"Só numa fábrica, e recentemente, esta autoridade apreendeu cerca de 3200 peças de calçado e vestuário no concelho de Vila Nova de Famalicão", exemplificou Pedro Gaspar, recordando a apreensão realizada no mês de fevereiro, que correspondeu a um valor de cerca 95 mil euros.

O norte de Portugal acaba por ser uma das áreas de grande intervenção da ASAE devido ao tecido económico produtivo desta região, levando à concentração de esforços e meios da ASAE no combate a este tipo de #Crime. A ASAE dispõe, inclusivamente, de uma armazém em Barcelos, na freguesia de Vila Boa e, futuramente, terá um espaço no Campo 5 de Outubro para instalação de uma delegação. "Temos também afetos 15 inspetores com sete a oito brigadas", referiu Pedro Gaspar à margem da cerimónia de doação de cerca de 230 artigos de vestuário e calçado, no valor de seis mil euros, ao Gabinete de Atendimento à Família, que serão distribuídos a cerca de 1200 pessoas.

Publicidade

"Cerca de 30 por cento dos produtos apreendidos vão para fins sociais. Este ano já demos mais de 22 mil euros em produtos apreendidos para fins sociais", destacou o inspetor-geral da ASAE, que este ano já contemplou instituições de Lisboa, Santarém, Faro, Porto, Aveiro e Viseu.

Em 2014, esta autoridade do crime económico apreendeu produtos que ascenderam aos 15 milhões de euros, situação definida pelos responsáveis como "um combate claro à economia paralela".