Leandro Monteiro, o jovem de 17 anos acusado de abusar sexualmente de dois menores, foi esta terça-feira, dia 12 de Maio, absolvido pelo Tribunal de Chaves. O caso tornou-se recentemente conhecido e chocou a opinião pública devido às contradições que constavam do processo. Outro facto chocante era o facto do menor estar a cumprir regime de prisão preventiva numa cadeia para adultos. Depois de quatro advogados oficiosos, Ricardo Sá Fernandes decidiu assumir às suas custas a defesa do jovem.

O caso remonta a junho de 2014, quando Leandro foi detido pela Polícia Judiciária de Vila Real por suspeitas de dois crimes de abuso sexual de dois colegas, de 11 e 6 anos, que estavam, tal como ele, institucionalizados no Lar de Infância e Juventude da Escola de Artes e Ofícios de Chaves.

Publicidade
Publicidade

Aos inspetores, o jovem, nascido no Algarve e institucionalizado por ter sido vítima de abusos sexuais, acabou por confirmar os factos, tendo participado numa reconstituição dos alegados crimes. Contudo, o processo ganhou aqui um dos principais erros, uma vez que não foi emitido qualquer mandado para que fosse efetuada a reconstituição.

Assim que Leandro foi detido, responsáveis da instituição tomaram a defesa do jovem, alegando que seria quase impossível ele ter praticado os atos de que as alegadas vítimas o acusavam. Dados revelados na imprensa apontavam para a possibilidade de ter sido uma das mães dos rapazes a incentivar a denúncia, com o intuito de voltar a viver com o filho. A aguardar julgamento em prisão preventiva, Leandro afirmou estar inocente e justificou a confissão aos inspetores da Polícia Judiciária com alegadas pressões.

Depois de a história ser tornada pública e sem que quatro advogados oficiosos nada tivessem feito no caso de Leandro, Ricardo Sá Fernandes decidiu assumir a defesa, em regime de patrocínio, uma vez que a família não possui recursos financeiros para pagar os custos. Em tribunal, o advogado defendeu a tese de que o jovem estava inocente.

Publicidade

"Há muitos elementos no processo, que já foram tornados públicos, que apontam claramente no sentido da inocência do Leandro", disse após uma das audiências que decorreram sempre à porta fechada no Tribunal de Chaves. Ainda assim, o menor viu-lhe ser recusada a liberdade condicional, tendo aguardado o desfecho do processo em prisão preventiva.

Onze meses depois, o Tribunal de Chaves concluiu que Leandro não praticou os crimes de que era acusado e determinou que deverá ser libertado de imediato. O jovem já confessou o desejo de voltar ao Algarve, onde vive a família.

#Justiça #Crime