O "Diário de Coimbra" noticiou no passado sábado, dia 9, que os resultados preliminares das análises ao sangue do condutor que atropelou mortalmente, na madrugada do passado dia 2 de maio, cinco peregrinos que rumavam a Fátima, deram positivo para a presença de álcool e estupefacientes. As informações dadas pelo jornal, e que ainda não foram oficializadas, indicam que Levani Moseshvili, um luso-georgiano de 24 anos de idade, tinha 1 grama de álcool por litro de sangue, o que corresponde a uma contraordenação muito grave. Já sobre a presença de droga, não são conhecidas mais informações.

O #Acidente ocorreu pelas 4h, no IC 2, na zona de Cernache, e Levani Moseshvili não soprou ao balão no local, tendo sido primeiramente transportado para o Centro Hospital e Universitário de Coimbra para tratamento de ferimentos.

Publicidade
Publicidade

Só nessa altura lhe foi feita a colheita de sangue. Na altura, Levani Moseshvili conduzia um Audi A4 e tentou ainda fugir após o acidente, o que não aconteceu graças a um camionista que passava no local na mesma altura.

O jovem está ainda indiciado pela prática de cinco crimes de homicídio por negligência, estando, por isso, impedido de conduzir e obrigado a apresentações semanais. Recorde-se que o condutor colheu um grupo de 80 peregrinos que se dirigiam desde Mortágua até Fátima. Quatro deles tiveram morte imediata, enquanto a quinta vítima, um jovem de 17 anos, acabaria por falecer já no Hospital Pediátrico de Coimbra.

Soube-se também durante esta semana que Levani Moseshvili, que reside em Portugal desde os 10 anos de idade, estava já referenciado pelas autoridades por consumo de estupefacientes e envolvimento em zaragatas, tendo também no seu cadastro registo de envolvimento em outros acidentes de viação.

Publicidade

Este acidente não só chocou o país, como deu já origem a pedidos de novas medidas de segurança para os peregrinos que, todos os anos, e vindos de todo o país, fazem a sua caminhada até Fátima. Também a autarquia de Mortágua, no distrito de Viseu, decretou, imediatamente após o incidente, três dias de luto municipal pelos peregrinos daquele município. #Justiça