Segundo avança o Diário de Notícias no seu portal online, a Polícia Judiciária estará no encalço de um individuo que terá violado a própria filha, de 13 anos, engravidando-a, tendo depois fugido para Inglaterra antes da queixa chegar à justiça. Esta violação terá ocorrido há cerca de oito meses, estando a menor já em período final de gravidez, não sendo permitido por lei abortar nesta situação. O caso foi exposto à PJ de Lisboa, há cerca de um mês, e desde essa altura as autoridades têm feito um esforço para seguir os passos do alegado violador, sabendo que terá fugido para Inglaterra, encontrando-se agora algures pela Europa, depois de ter passado por outros dois países deste continente.

Publicidade
Publicidade

Segundo apurou o mesmo jornal, a PJ está já a preparar o mandado de captura a nível externo, para que se proceda à detenção do alegado autor do #Crime, tendo no entanto que esperar por algumas burocracias internacionais que impedem a celeridade do processo de prisão do suspeito desta violação.

A vítima, de 13 anos, está aos cuidados do Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde tem recebido apoio por parte de psicólogos dessa mesma instituição.

O habitual procedimento por parte do tribunal, neste tipo de casos, é a interrupção voluntária da gravidez, algo que não poderá acontecer devido ao estado avançado da gravidez da menor, sendo que a entrega para adopção será o destino mais provável do bebé. No entanto, a vítima será chamada ao Tribunal de Menores para decidir qual o destino que pretende dar ao filho: se adopção, ou se pretende ficar com ele, já que a lei permite essa escolha nestas situações.

Publicidade

Ainda não é possível apurar ao certo de onde são vítima e o violador, pertencentes à região de Lisboa, nem o motivo da demora da menor, ou da família, em apresentar queixa pela barbaridade alegadamente cometida pelo progenitor, mas o caso está entregue à Directoria de Lisboa da Polícia Judiciária.

Recorde-se que ainda esta semana foi conhecida a violação e gravidez de uma menor de 12 anos, que acabou por interromper a gravidez de forma voluntária, mas não se encontrava em estado tão avançado como neste caso.