A #Polícia Judiciária do Porto tem em curso uma mega-operação de buscas. Decorrem no Grande Porto, Lisboa, Coimbra e Braga. Uma das nove pessoas detidas será o proprietário do grupo "Feira dos Tecidos", com uma vasta rede nacional de estabelecimentos. De acordo com o jornal Público, estão em causa suspeitas de crimes de associação criminosa, fraude fiscal e branqueamento de capital. A PJ já efectuou mais de 30 buscas.

A Operação Fazenda Branca iniciou-se às 07h00 desta quarta-feira, 6 de Maio, com o apoio de inspectores da Autoridade Tributária e Aduaneira. O Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) está à frente do inquérito.

Publicidade
Publicidade

A dimensão considerável da operação - abrangeu não só a área do Grande Porto, como também, Lisboa, Coimbra e Braga - obrigou a PJ do Porto a mobilizar inspectores de todas as suas secções. Envolvidos estão também três dos quatro juízes do Tribunal de Instrução Criminal.

Estão a ser investigados eventuais crimes de fraude fiscal, que poderão ter lesado a Fazenda Nacional em muitos milhões de euros. De acordo com a PJ do Porto, "as investigações permitiram indiciar a existência de um grupo organizado no sector de compra e venda de têxteis" que não pagaria IRC e estaria a receber o IVA de forma indevida.

O procurador do DIAP no Porto, Silvino Pereira, acompanhou as buscas no terreno. Entre os materiais apreendidos estão automóveis, obras de arte, mobiliário, milhares de euros em dinheiro e documentação importante.

Publicidade

Os detidos vão ser agora interrogados por um juiz de instrução criminal, conhecendo então as medidas de coacção.

#Justiça #Crime

Grupo proprietário da Feira dos Tecidos sob suspeita

As investigações da Operação Fazenda Branca têm por base suspeitas sobre o grupo que possui a Feira dos Tecidos e USCITA, cadeia de lojas com vários estabelecimentos por todo o país. Os detidos pela PJ têm idades entre 38 e 63 anos e um deles é proprietário da empresa. Um dos alvos particulares das buscas foi a sede operacional do grupo, localizada no Porto. Anteriormente, a empresa já havia sido investigada.