O sétimo dia de #Greve dos pilotos da TAP foi aquele com maior percentagem de voos realizados. Das 261 viagens previstas até às 19h00, partiram 195 e foram canceladas 66. São os números que fonte da empresa adiantou ao Jornal de Negócios. No entanto, diferem daqueles apresentados pelo Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC). A associação sindical fala em 152 voos efectuados e 113 cancelados até às 20h30 da passada quinta-feira, 7 de Maio. O sindicato afirmou ainda que 80% dos 877 pilotos aderiram à greve neste sétimo dia.

Esta paralisação prolongada, entre 1 e 10 de Maio, deve-se ao facto dos pilotos da TAP considerarem que o Governo não está a cumprir dois acordos: um assinado em Dezembro último; e outro estabelecido em 1999 e que dava aos pilotos 20% do capital da empresa, no âmbito da privatização.

Publicidade
Publicidade

Os pilotos consideram ainda que o Executivo liderado por Pedro Passos Coelho e a administração da TAP levam a cabo "negociações que são uma farsa".

Nova greve pode vir a caminho

O SPAC já admitiu que poderá convocar uma nova greve dentro de um mês, devendo reunir-se em assembleia-geral no próximo dia 10 de Maio, para discutir novas formas de luta. Os salários dos pilotos não seriam problema em caso de nova paralisação. Hélder Santinhos, da direcção daquele sindicato, confirmou ao jornal Económico que o SPAC tem um fundo que permite fazer vários dias de greve.

Greve traz prejuízos graves

O ministro da Economia, António Pires de Lima, estimou que até quarta-feira o prejuízo da greve na empresa tenha sido de 17 milhões de euros, prevendo que pudesse chegar aos 35 milhões de euros.

Publicidade

Isto apesar de, segundo os dados oficiais da TAP, estarem a realizar-se diariamente a maior parte dos voos programados.

O presidente da transportadora aérea, Fernando Pinto, dirigiu uma carta aos trabalhadores da empresa elogiando um "esforço e profissionalismo" que pode salvaguardar a imagem e credibilidade futuras da TAP. O dirigente acrescentou que os trabalhadores e a empresa trabalham em conjunto para minimizar o mais possível o transtorno para os passageiros.