Esta noite, dia 18 de maio, o gerente da pastelaria "Lua de Mel", em Benfica, foi morto a tiro. A PSP foi imediatamente chamada ao local e procedeu à interdição da Avenida Grão Vasco. Segundo uma testemunha ouvida pela Blasting News, o autor do homicídio, que terá chegado de carro, disparou sobre a vítima quatro vezes. Uma primeira e, em seguida, após o gerente do estabelecimento já se encontrar no chão, terá disparado mais três vezes. O #Crime ocorreu por volta das 20h45, 15 minutos antes do encerramento da pastelaria.

A vítima terá cerca de 50 anos e era conhecida pelos clientes como "Sr. João". A causa do homicídio ainda não é concreta, mas ao que tudo indica, diz a PSP, um "ajuste de contas" estará na origem da tragédia.

Publicidade
Publicidade

De acordo com um popular, no interior do estabelecimento, para além do "Sr. João", estariam pelo menos mais três empregados e um cliente que se encontrava a beber uma cerveja. Após o sucedido e apesar de não ter sido atingido, o cliente ficou em estado de choque e foi transportado para o Hospital de Santa Maria.

Já o homicida, pôs-se em fuga logo depois dos disparos. O mesmo ainda não foi apanhado pela Polícia de Segurança Pública, contudo já foi identificado e continua a ser perseguido. Segundo apurou o DN, o suspeito será um homem conhecido da PSP e que tem cadastro por vários crimes, nomeadamente por roubo.

A polícia acredita que a questão não se tratou de um assalto, mas sim de um ajuste de contas, uma vez que nada foi roubado e mais ninguém foi atingido para além do gerente do "Lua de Mel" que foi baleado até à morte com 4 tiros.

Publicidade

A Blasting News esteve no local do crime por volta das 22h45, uma hora depois do sucedido. A Avenida Grão Vasco estava ainda interdita e do lado de dentro encontravam-se mais de uma dezena de agentes da PSP, assim como algumas testemunhas que terão fornecido o seu depoimento. A família da vítima também se encontrava perto do local, embebida em lágrimas e choque.

Eram cerca das 23h e o corpo ainda não havia sido retirado. A PSP continua a investigar e o caso está ainda por desvendar.