A partir do dia 01 de junho, Dia Mundial da Saúde, a administração da vacina Prevenar 13, que previne doenças causadas pela bactéria Streptococcus pneumoniae (S. pneumoniae), como a meningite (infeção das membranas que envolvem o cérebro e a medula espinal), a pneumonia (infeção pulmonar), a septicemia (infeção do sangue) ou a otite (infeção do ouvido médio), passa a ser gratuita para todas as crianças nascidas a partir do dia 01 de janeiro de 2015 ao integrar o Plano Nacional de Vacinação (PNV).

Esta confirmação chega numa altura em que se debate no parlamento o estado da saúde em Portugal, abordando temas polémicos como a suposta falta de camas nos hospitais públicos. Foi neste debate que o Ministro Paulo Macedo confirmou a gratuitidade da vacina Prevenar 13 a todas as crianças nascidas a partir do início do ano, bem como para "os adultos com doenças crónicas e considerados de alto risco, nomeadamente os portadores do vírus VIH e de certas doenças pulmonares obstrutivas, além do cancro do pulmão". Para as crianças e adultos que queiram ser vacinados com a Prevenar 13, o Estado irá comparticipar 15% da aquisição da mesma.

A Prevenar 13 é uma vacina sob a forma de suspensão injetável que contém partes de 13 tipos diferentes da bactéria Streptococcus pneumoniae (S. pneumoniae) e deve ser administrada por injeção intramuscular, na região anterolateral da coxa (músculo vastus lateralis), nas crianças até aos 11 meses (lactentes), ou no músculo deltóide, na porção superior do braço, nas crianças a partir dos 12 meses. Os recém-nascidos podem ser imunizados a partir das seis semanas, apesar de ser habitual administrar a primeira dose aos 2 meses, seguida de mais duas doses, espaçadas por um mês, e de uma quarta dose de reforço administrada entre os 11 e os 15 meses.

As vacinas ensinam o sistema imunitário a defender-se contra uma doença ao obrigá-lo a reconhecer como "corpos estranhos" as partes da bactéria contida nessa vacina, e induzindo-o a produzir anticorpos para as combater, defendendo assim o organismo.

Até agora, as famílias socialmente desfavorecidas não conseguiam suportar a aquisição de 4 doses recomendadas, o que representava um elevado esforço financeiro logo no primeiro ano de vida de um bebé. Para o Estado, esta medida implicará um investimento de 2,5 milhões de euros em 2015 e a Prevenar 13 será a 13ª vacina do programa de saúde implementado pelo Estado português desde 1965. #Governo