Contam com milhares de partilhas, as fotos colocadas estes dias na rede social Facebook, onde se via um carro patrulha da GNR estacionado num local de estacionamento proibido, na freguesia de Fuseta, em Olhão. Segundo a autora do post, os mesmos agentes haviam-lhe passado uma contra-ordenação por esta estar ali estacionada minutos antes, acusando-os ainda de deixarem ali o carro enquanto tomavam pequeno almoço numa pastelaria na mesma rua.

Na publicação, onde se podem ver várias fotos do veículo policial mal estacionado, a autora profere alguns insultos e acusações grave, chegando a falar em corrupção das forças policiais, entre outras acusações e desabafos lesivos para com os agentes envolvidos.

Publicidade
Publicidade

Depois de ver a publicação, a GNR emitiu um comunicado como resposta através da sua página no Facebook, onde refuta as acusações, justificando o acto dos agentes e acrescentando ainda que irá mover um processo por difamação contra a autora da publicação.

Nesse post, a GNR informa que os militares estavam dentro de uma pastelaria porque havia uma carrinha mal estacionada, num lugar reservado a deficientes, e procuravam o condutor para proceder à remoção do veículo e respectivo auto de contra-ordenação. Pode ler-se ainda na publicação da página da GNR que os militares não tinham outra zona para estacionar e era necessário encontrar o condutor do veículo em infracção.

Na mesma publicação na página oficial da GNR está ainda latente que o conteúdo da publicação da mulher queixosa é "falsa", reforçando que os agentes estavam a cumprir o seu dever de forma zelosa, e não a tomar o pequeno almoço, como referia a publicação.

Publicidade

Na publicação a GNR explica ainda que não pode aceitar este tipo de acusações que são lesivas para os militares e para toda a força policial, terminando com o aviso de que já foi comunicado às autoridades criminais competentes para que avancem com um processo contra a autora das fotos.

Este será o primeiro caso em que a uma força de autoridade policial move um processo por conteúdo lesivo numa rede social. #Polícia #Redes Sociais