A Universidade Lusófona retirou licenciaturas e outros títulos académicos a vários alunos. Foi a "resposta" da faculdade às suspeitas quanto à licenciatura do ex-ministro Miguel Relvas. Estão em causa falhas processuais da universidade e um sistema de créditos abusivos. A situação abrange sobretudo os Estudos de Segurança, onde o sistema de creditação originou mais dúvidas aos inspectores.

De acordo com a RTP, entre os alunos que viram ser-lhe retirados os seus títulos académicos estão comandantes da Polícia Municipal de Lisboa (um deles ainda no activo), autarcas ou maçons, entre outros. Ao todo, foram cassados 152 diplomas, podendo ainda haver matéria legal para proceder à anulação de concursos municipais ou nos ministérios.

Publicidade
Publicidade

Miguel Relvas "originou" investigação

Toda a polémica relativamente aos graus académicos na Lusófona começou com o caso Miguel Relvas. A licenciatura do ex-ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares terá a falta de equivalência profissional dada a seis disciplinas e a falta de um exame. Há ainda outra cadeira em que Relvas não terá feito o exame escrito necessário, sendo avaliado por sete artigos de jornal da sua autoria. As equivalências terão permitido que o anterior governante completasse a sua licenciatura em apenas um ano.

Tarde demais para anular licenciatura

O "caso Relvas" está em tribunal há mais de um ano, e o ex-ministro alega agora que já prescreveu o prazo para anular o seu título académico. Foi notificado a 24 de Fevereiro deste ano, mas alega agora que o prazo para a impugnação da sua licenciatura já expirou há muito tempo. De acordo com o jornal Económico, este é o principal argumento de Relvas para a sua defesa.

Se a juíza responsável pelo processo concluir que não é possível corrigir as irregularidades detectadas, não há prazo para anular uma licenciatura.

Publicidade

O que é certo é que o antigo ministro, já desta legislatura PSD/CDS, licenciou-se em Ciência Política e Relações Internacionais apenas num ano, quando a sua duração habitual é de três. Relvas só se submeteu a quatro exames das disciplinas semestrais, e sem ir às aulas. #Educação #Justiça