Estamos ainda no início de junho, mas parece que o verão já está aí. Esta quarta-feira as temperaturas vão subir até cinco graus. De acordo com as previsões do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), no Alentejo as máximas vão atingir mais de 35 graus e os distritos de Évora, Setúbal, Beja e Portalegre estão já sob aviso amarelo devido ao calor. Já na região de Vale do Tejo as máximas devem rondar os 30 e os 35 graus, enquanto no Norte e Centro estão previstas temperaturas acima dos 30.

Também segundo o IPMA, as temperaturas altas vão manter-se até quinta-feira, já que sexta-feira haverá uma pequena descida da máxima. Contudo, o próximo fim de semana vai ser de calor e de possibilidade de praia para muitos portugueses, já que se prevê um novo aumento da temperatura, que se manterá igual até ao início da próxima semana.

A zona mais quente do país deve ser mesmo Beja, com as temperaturas a chegarem aos 38 graus, enquanto Évora se manterá nos 36, Portalegre e Castelo Branco nos 35, Santarém nos 34 e Lisboa, Bragança e Vila Real nos 32. Já em Faro a temperatura rondará os 31 graus celsius, enquanto o Porto ficará apenas nos 24 graus. O aviso amarelo para os distritos do Alentejo irá manter-se entre as 9h de quarta-feira (3 de junho) e as 18h de quinta-feira (4 de junho). Para as ilhas, manter-se-á o tempo ameno, com as temperaturas a rondar os 23 graus quer na Madeira, quer nos Açores.

Depois de alguns dias de verão, em que muitos portugueses rumaram às praias, os últimos dias têm sido mais frescos, devido à passagem de uma superfície frontal proveniente do Atlântico que, embora de fraca atividade, afetou as máximas em todo Portugal Continental. Mas com o regresso do calor, regressa também o risco de incêndio em todo o território nacional. Segundo o IPMA, o dia de amanhã, quarta-feira, será de risco elevado em quase todo o interior de Portugal, com as zonas do interior centro, interior alentejo e algarve a terem o risco mais elevado. Castelo Branco e Monchique são as zonas do país que se encontram em risco máximo de incêndio. #Ambiente