No distrito de Portalegre existem três complexos termais: as Termas da Fadagosa de Nisa, a Fadagosa do Monte da Pedra e as Termas de Cabeço de Vide. As termas de Cabeço de Vide tiveram origem na época romana e são das mais antigas do país. Os complexos termais encontram-se abertos apenas durante a época balnear e têm pouca rentabilização. A Fadagosa do Monte da Pedra está situada no concelho do Crato, abriu as portas no início do século XX, mas as termas estão fechadas ao público desde 1998.

O complexo termal das Termas da Fadagosa de Nisa foi remodelado e abriu ao público em 2009. A remodelação do complexo termal custou dez milhões de euros.

Publicidade
Publicidade

Após a remodelação pensava-se que as termas estariam abertas o ano inteiro e não apenas na época balnear, uma vez que a Fadagosa de Nisa tem uma ala de internamento, que seria muito útil para os habitantes do concelho de Nisa. Este espaço tem diversas atividades nas áreas da hidrologia, das técnicas termais e dos tratamentos complementares. A água termal de Nisa é indicada para problemas respiratórios, músculo-esqueléticos, dermatológicos e metabólicos.

As termas da Fadagosa de Nisa estão localizadas a oito quilómetros da vila de Alpalhão e são um espaço sem rentabilização. "Criaram-se estruturas megalómanas e acabaram por não ter a rentabilidade prevista", disse Rui Lopes, Administrador de Hotelaria, à RTP. Dado que hotel onde é administrador foi construído para servir de complemento às termas, admitiu que "as termas eram de facto um verdadeiro ex-líbris para este hotel".

Publicidade

Rafael Moura, gerente da Tapada das Safras, acha que as termas de Nisa poderão vir a ter uma solução, "uma vez que temos termas de uma excelente qualidade em termos técnicos e de recursos humanos", afirmou à Blasting News, dizendo ainda que os "principais problemas estão relacionados com a falta de publicitação do espaço".

Já a autarca da freguesia de Alpalhão, Ana Cecília Manteiga, acha que se deveria enveredar por outros caminhos e apostar-se num centro de recuperação. "No nosso concelho existem muitos idosos acamados e com muitos problemas e muitos deles necessitam de fazer tratamentos e ir para centros de recuperação. Porque não fazer-se alguma coisa nesta área, uma vez que há equipamentos nas termas para se fazer isso", disse Ana Manteiga à Blasting News.

As termas de Cabeço de Vide estão situadas junto à vila de Cabeço de Vide e são talvez uma das mais antigas de Portugal. Os romanos terão sido os primeiros a utilizar estas águas para fins termais, pois os antigos balneários termais estão construídos sobre umas antigas termas romanas.

Publicidade

Julga-se ainda que as termas tiveram origem durante o império de César Augusto. A água destas termas é indicada para doenças osteoarticulares e reumatismais crónicas e para doenças crónicas alérgicas das vias respiratórias.

Segundo Marta Mourato, técnica de administração, estas termas têm um grande "impacto na região" a nível turístico e medicinal, oferecendo diversas atividades para os turistas. "A nível económico contribuem na formação e no trabalho prestado pelos funcionários e no desenvolvimento particular do comércio local", afirmou a técnica de administração à Blasting News, dizendo ainda que "tudo o que anda à volta das termas tem o seu benefício".

Os complexos termais de Cabeço de Vide e de Nisa contribuem para o desenvolvimento económico e turístico da região, uma vez que durante a época balnear trazem ao distrito diversos aquistas e turistas. #Turismo