Aos 90 anos a antiga primeira-dama Maria Barroso acabou por falecer esta madrugada, 7 de Julho, no Hospital da Cruz Vermelha Portuguesa, onde se encontrava internada, primeiro nos cuidados intensivos e depois num quarto particular, desde 26 do mês passado. A queda que sofreu a 26 de Junho provocou-lhe um derrame intracraniano, entrando em coma nesse mesmo dia. O enterro será amanhã no Cemitério dos Prazeres, a partir das 10 horas. As mensagens de condolências à família e também de reacção à partida de Maria Barroso já começam a chegar, sendo na sua maioria de carácter político.

Segundo o comunicado lido à porta do Hospital da Cruz Vermelha, a antiga primeira-dama faleceu hoje, dia 7, por volta das 5h20 da madrugada.

Publicidade
Publicidade

Mais se soube que o corpo estará em câmara ardente hoje a partir das 18h00 no Colégio Moderno em Lisboa e o funeral será amanhã a partir das 10h00 com missa de corpo presente no Cemitério dos Prazeres.

Entre as mensagens que começam a chegar de condolências, é de salientar a de Cavaco Silva que descreve uma "mulher de cultura e de causas" que foi sempre uma defensora "da liberdade e da democracia", segundo reporta o Correio da Manhã. O Presidente recorda ainda que Maria Barroso dedicou a sua vida à cultura, ao ensino, à pedagogia e às causas sociais. Casada com #Mário Soares, Maria Barroso foi uma das fundadoras do PS em 1973, sendo a eleitora n.º 6.

A sua disponibilidade de ajuda ao próximo foi uma das características reconhecidas por todos. Também o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, salientou a vida ímpar, "toda ela dedicada ao serviço dos outros e à causa pública", escreve o CM.

A defesa pela liberdade e democracia no período anterior ao 25 de Abril foi uma das características ressalvadas pelo secretário-geral do Partido Socialista, António Costa.

Publicidade

No período posterior à revolução, António Costa assegura que Maria Barroso "constituiu sempre uma voz activa em defesa dos valores da democracia e da solidariedade, incansável na defesa dos mais desfavorecidos e no combate à exclusão social", transcreve o CM do comunicado enviado às redações pelo PS.

Já Manuel Alegre, um dos membros do PS, reafirma que Maria Barroso "foi sempre uma primeira-dama, mesmo antes de Mário Soares ter sido eleito Presidente da República", escreve o jornal português. Esta semana as revistas cor-de-rosa trazem algumas das últimas entrevistas feitas à antiga primeira-dama. Na capa da Lux pode ler-se, de acordo com declarações da própria Maria Barroso, "Valeu a pena ter vivido". #Personalidades #Casos Médicos