O Estado perdeu cerca de 71.500 trabalhadores nos últimos quatro anos. De acordo com os dados divulgados pela Direcção Geral da Administração e Emprego Público (DGAEP), no primeiro ano do programa de ajustamento trabalhavam para a Administração Pública quase 727.300 pessoas. O número desceu para 655.820 no ano passado. O corte nas reposições de trabalhadores, aposentações e rescisões por mútuo acordo é apontado como a principal explicação.

Em 2013, Hélder Rosalino, ex-secretário de Estado da Administração Pública, previa que até ao final da presente legislatura se registasse uma redução de 100 mil trabalhadores, pelo que os dados agora apresentados ficam ainda distantes dessa estimativa.

Publicidade
Publicidade

De todos os trabalhadores da Administração Pública, só 1,7 por cento são jovens (11.718, que têm idades até aos 24 anos).

Tendência de envelhecimento confirmada

O mercado laboral traduz a tendência de envelhecimento de Portugal, com mais de 34% dos trabalhadores a terem idades entre os 45 e os 54 anos (é a maior fatia de empregados do Estado). E ainda há mais de 5500 pessoas - maioritariamente mulheres - a trabalhar como funcionárias públicas embora já estejam em idade da reforma.

Outra característica da população empregada na Administração Pública é a baixa qualificação e, consequentemente, os salários mais baixos. Educadores de infância e professores do ensino básico e secundário também são uma parte considerável dos trabalhadores do Estado. Apesar da redução de efectivos, os salários melhoraram muito ligeiramente, com aumentos médios globais inferiores a um por cento.

Publicidade

Taxa de desemprego de Portugal entre as mais elevadas

A taxa de #Desemprego em toda a zona Euro manteve-se estável em Maio face ao mês anterior, mantendo-se nos patamares mais baixos desde 2012, em 11,1%. Em Portugal, a taxa é a quinta mais elevada da Europa (13,2%), de acordo com os dados do Eurostat. Corresponde a 677 mil pessoas sem trabalho no país, sendo que em toda a União Europeia mais de 23 milhões de pessoas (mais do dobro da população de Portugal) está sem emprego.