Numa altura em que polémica em torno das obras de ampliação da Praia da Dona Ana, em Lagos, está acesa, o Ministro do Ambiente, Jorge Moreira da Silva, explicou, na sua conta pessoal do Facebook, o porquê da execução das obras em curso. Refutando as críticas daqueles que estão contra a intervenção, a publicação do texto aconteceu após o anúncio da Associação de Defesa do Património Cultural e Ambiental do Algarve (Almargem) de enviar uma queixa à Comissão Europeia contra o Estado português e de apresentar no Ministério Público uma outra queixa-crime contra o Ministério do Ambiente. O ministro diz que não se furta ao debate e à controvérsia, tendo pouca paciência para a demagogia, em especial "para aqueles que falam de cátedra do que desconhecem".

Publicidade
Publicidade

Relativamente à Praia da Dona Ana, afirma que "é verdade que a Praia de Dona Ana, em Lagos, é uma das mais bonitas do mundo - mais pela paisagem do que pela utilização que proporciona". Explica também a razão de tal afirmação: " a erosão costeira e o défice de areia transformou aquela praia em pouco mais do que uma arriba em cima do mar. Os riscos para a segurança das pessoas são notórios. Por ausência de areal, os banhistas colocam-se junto à arriba colocando-se numa situação perigosa".

O ministro questiona: "Numa circunstância destas, o que compete ao Governo e à autarquia fazer? À custa de tanto querer manter intacta a paisagem, colocar em risco os cidadãos? Ou, como acabou por acontecer, colocar mais areia na praia, regressando, aliás, à dimensão documentada dessa praia nos anos 50 e 60, proporcionando um equilíbrio entre paisagem, protecção ambiental e segurança das pessoas?".

Publicidade

Segundo o próprio, o Ministério do Ambiente acabou por tomar a opção de alargar a praia, por questões de segurança e protecção ambiental, sabendo que "o coro de críticas de líderes de opinião não se fez esperar e a associação Almargem até apresentou uma queixa em Bruxelas". O ministro rebate as críticas, afirmando que "as decisões tomam-se no mundo real e as consequências da ausência de decisões também é bem real".

Por fim, lança a questão de o "que diriam estes ambientalistas e quantas queixas não fariam se, por ausência de intervenção do Governo naquela praia, ocorresse uma fatalidade por derrocada das arribas, afetando os banhistas colocados, por ausência de areal, junto às zonas mais perigosas?"

Obras a terminar

Está previsto que as máquinas deixem de operar nesta quarta-feira. As obras serão concluídas com um atraso, face ao previsto, de três semanas. Segundo o Diretor Regional da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), Sebastião Teixeira, a praia pode, no final, hastear a Bandeira Azul, atribuída pela Associação da Bandeira Azul da Europa e bandeira da Qualidade de Ouro, distinção da Quercus.

Publicidade

A Praia da Dona Ana foi considerada "a melhor praia do mundo" pela Condé Nast Traveller e uma das melhores da Europa, pelos utilizadores do site de viagens TripAdvisor, a melhor praia de Portugal e a 20ª melhor praia da Europa. #Natureza #Turismo