A Polícia Judiciária (PJ) anunciou esta quinta-feira, 13 de Agosto, através de um comunicado à imprensa, a identificação de um jovem de apenas 13 anos suspeito de ter ateado um #Incêndio no concelho de Vouzela, distrito de Viseu. O fogo ocorreu no passado domingo, dia 9, em Cercosa e consumiu uma área de pinheiros bravos e eucaliptos. Àquele rapaz juntam-se outros 3 homens, detidos pela mesma Polícia Judiciária, com fortes indícios de terem sido, igualmente, autores de incêndios que deflagraram nos concelhos de Elvas, Penacova e Tábua. Aliás, a Polícia Judiciária tem anunciado nos últimos dias a detenção de presumíveis incendiários um pouco por todo o país.

O rapaz de 13 anos, que segundo revela alguma imprensa é filho de bombeiro, recorreu a fósforos para fazer eclodir directamente as chamas na “abundante vegetação seca”. Os inspectores da Polícia Judiciária chegaram ao suspeito com a colaboração dos militares do Serviço de Protecção do Ambiente e Natureza (SEPNA) da Guarda Nacional Republicana (GNR) de Viseu.

Isto, porque no passado domingo, dia 9 de Agosto, pelas 14:20 horas colocou fogo na localidade de Cercosa, na freguesia de Campia, no concelho de Vouzela. Um incêndio que teve de ser combatido por 65 bombeiros, de várias corporações, auxiliados por 16 veículos e 2 meios aéreos, de acordo com a informação disponibilizada pela Autoridade Nacional da Protecção Civil (ANPC). Só não teve mais proporções devido à “rápida e eficaz” actuação dos bombeiros, afirma a PJ. A mesma polícia não conseguiu encontrar “motivação racional ou explicação plausível” que levasse o rapaz, sobre o qual corre agora um “processo específico tutelar educativo”, a praticar aquele acto criminoso.

Também esta quinta-feira a PJ anunciou a detenção de um homem de 50 anos de idade, suspeito de ter ateado um incêndio florestal na passada segunda-feira, 10 de Agosto, em Elvas. Refere o comunicado policial de que o homem, sem antecedentes criminais, encontrava-se “fortemente alcoolizado” quando fez eclodir as chamas numa zona florestal na área urbana daquela cidade alentejana. Para além de ter destruído as árvores existentes, o mesmo colocou em perigo os edifícios confinantes.

Por sua vez, a Directoria do Centro da PJ deteve um pedreiro, de 55 anos de idade, como sendo o presumível autor do incêndio que queimou mais de 120 hectares de floresta no concelho de Penacova. Após ter posto o fogo, através de chama directa, próximo da sua habitação, “foi dormir a sesta”, diz a Polícia Judiciária. A mesma polícia, que em colaboração com a GNR de Tábua, identificou e deteve, um outro individuo suspeito. Trata-se de um homem igualmente de 55 anos de idade e também pedreiro de profissão. Sobre o mesmo recaem fortes indícios de ter sido o autor de 2 focos de incêndio, um deles rapidamente extinto por populares, e um segundo que queimou cerca de um hectare de floresta naquele concelho do distrito de Coimbra. #Crime