Um novo traçado entre Gaia e Fátima vai pôr peregrinos a percorrer calçadas romanas, vales agrícolas e margens ribeirinhas. A iniciativa, apresentada esta semana no Santuário de Fátima, tem como objectivo estruturar e tornar mais seguro o caminho de fé dos milhões de peregrinos que desembocam na Cova da Iria. Um projecto que representa um investimento de 4 milhões de euros, dos quais 3,5 milhões serão financiados por fundos comunitários. O Secretário de Estado do Desenvolvimento Regional, Castro de Almeida, justifica aquele financiamento pelo facto de Fátima ser um “sítio único de peregrinações em Portugal”.

Com os trágicos acidentes que vitimam peregrinos na memória, como aquele que aconteceu em Maio passado na zona de Condeixa-a-Nova, e a visita do Papa Francisco por ocasião do centenário das aparições no horizonte, surge agora um projecto que pretende retirar os peregrinos das estradas nacionais ao longo dos 212 quilómetros que separam o Porto de Fátima. Os responsáveis calculam que aquele percurso seja percorrido por 80 por cento dos peregrinos que chegam ao Santuário.

Para além dos 14 municípios (Vila Nova de Gaia, Santa Maria da Feira, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Albergaria-a-Velha, Águeda, Anadia, Mealhada, Coimbra, Condeixa-a-Nova, Soure, Pombal, Leiria e Ourém), a futura associação envolve, também, a Associação de Municípios das Terras de Santa Maria, as três comunidades intermunicipais do território abrangido (Aveiro, Coimbra e Leiria), a empresa pública Infraestruturas de Portugal, o Instituto para a Mobilidades e os Transportes, o Santuário de Fátima, os Guias acreditados junto do Santuário, as forças de segurança, a Cruz Vermelha e o Corpo de Voluntários da Ordem de Malta.

Diogo Mateus, presidente da Câmara Municipal de Pombal que lidera o projecto, referiu que a intenção passa por “criar uma passadeira de 200 quilómetros para acolher o Papa Francisco” em 2017, aquando do centenário das aparições.

Por sua vez, o padre Carlos Cabecinhas, reitor do Santuário, citado pela Agência Ecclesia enalteceu a importância daquela iniciativa, até porque garantirá o “bem-estar dos peregrinos”, correspondendo assim a uma das preocupações do próprio Santuário. Até porque, com mais segurança poderão ser mais aqueles que resolvam efectuar a sua caminhada de fé, disse.

De acordo com o estudo já desenvolvido, o novo traçado dos Caminhos de Fátima irá permitir recuperar antigas calçadas romanas, atravessar vales agrícolas e caminhos rurais, para além de aproveitar caminhos ferroviários não utilizados, fazendo com que os milhares de peregrinos caminhem igualmente por margens ribeirinhas e povoações, fora das estradas nacionais, longe do tráfego automóvel. #Religião