São marido e mulher e são os únicos especialistas de cardiologia do Hospital de Beja. Sempre que o casal se encontra a gozar férias o hospital fica sem os médicos especialistas, pondo em risco de vida os doentes que se desloquem ao hospital. O casal, que já gozou 15 dias de férias, fez com que os doentes tivessem que aguardar pelo seu regresso para colocar um pacemaker

Recentemente, um doente de 52 anos, que preferiu não se identificar com receio de represálias, foi uma das vítimas da ausência dos médicos. Pulsação baixa e tonturas levaram o utente às urgências do hospital no dia 2 de agosto. Foi informado que lhe seria implantado um pacemaker devido a um bloqueio completo do coração. 

No dia a seguir informaram o doente de que a intervenção não iria ser realizada porque os médicos cardiologistas encontravam-se de férias, revela o site do Correio da Manhã. O doente foi transferido para Lisboa, para o Hospital de Santa Marta, para implantar o pacemaker. Depois da intervenção e do internamento de três dias regressou a Beja e o casal ainda estava de férias. Devido à sua condição clínica o homem coloca a hipótese de mudar de localidade por não ter "garantias de sobrevivência". 

De acordo com a administração do Hospital de Beja, sempre que os dois cardiologistas não se encontrem ao serviço os doentes são encaminhados para Évora e Lisboa. 

Recorde-se que em dezembro do ano passado um homem de 29 anos morreu no Hospital de São José, em Lisboa, por falta de equipa completa de neurocirurgia. David Duarte não aguentou a espera e morreu três dias depois, vítima de um aneurisma cerebral. 

A mãe, Zélia Fonseca, refere que fortes dores de cabeça e paralisação parcial levaram o filho ao hospital de Santarém no dia 11 de dezembro, sexta-feira. Posteriormente, foi transferido para o Hospital de São José, onde deveria ser operado na segunda-feira seguinte. Um agravamento da situação conduziu o jovem à morte, na mesma unidade hospitalar, no dia em que iria ser operado.   

Desde abril de 2014 que não eram efetuadas neurocirurgias no Hospital de São José ao fim de semana por falta de especialistas de neurocirurgia. Motivos financeiros estarão na origem da situação.  #Casos Médicos