Portugal dá as boas-vindas a 64 refugiados que chegaram ao país na madrugada de segunda-feira, 7 de março. Estes refugiados aterraram no aeroporto de Figo Maduro, em Lisboa, vindos da Grécia, local por onde entraram em território europeu. Estes refugiados são maioritariamente cidadãos sírios, iraquianos e iemenitas e apenas dois deles são da Eritreia. 

Estas pessoas vão ser acolhidas no âmbito de um programa de apoio aos refugiados europeus em instituições de solidariedade de 15 cidades portuguesas. Irão ter apoio financeiro, acesso ao Serviço Nacional de Saúde, acesso à escola para as crianças e direito à habitação. Entre o grupo recém-chegado estão presentes mais de duas dezenas de crianças.

O ministro adjunto Eduardo Cabrita representou o país e deu as boas-vindas a estes refugiados. Eduardo Cabrita declarou que "ao longo desses 18 meses aquilo que temos de fazer é programar um caminho de futuro. Naturalmente, o desejável seria ter paz na Síria, ter paz no Iraque e que estas pessoas pudessem ponderar o retorno aos seus países". Porém, estas condições não se mostram favoráveis num futuro próximo, assim sendo as entidades responsáveis irão fazer com que estes refugiados se integrem na sociedade portuguesa. Essa integração será conforme as idades e as qualificações destes novos residentes em Portugal.

O plano é que possam trabalhar ou estudar, consoante os diferentes casos. 

As cidades que irão acolher os 64 migrantes são Lisboa, Beja, Santarém, Faro, Nisa, Porto, Olhão, Torres Novas, Guimarães, Sintra, Braga, Espinho, Évora, Setúbal  e Nazaré. 

Portugal mostra a sua disponibilidade para ter um "papel activo" neste processo, diz o ministro Eduardo Cabrita. O valor de referência do país é de 10 mil pessoas. O país quer acolher estas pessoas para lhes proporcionar uma nova vida. Portugal delineou o seu plano de integração de refugiados com as instituições europeias e com países como a Alemanha, Suécia e Áustria, que irão servir de ponte para a entrada dos migrantes em Portugal. 

Este grupo de 64 refugiados chega ao país depois de terem já entrado em Portugal 37 cidadãos da Eritreia. Está previsto que no dia 10 de Março o país acolha mais 50 pessoas, no âmbito de um plano de apoio, distribuição e acolhimento de refugiados.  #Política Internacional #Emigração #Causas