A secretária-geral do Sistema de Segurança Interna comunicou que todas as forças de segurança estão a trabalhar em conjunto para a manutenção da calma e segurança da cidade de Lisboa, no entanto mantém-se o nível de ameaça "moderado". Os acontecimentos que tiveram lugar hoje em Bruxelas, com explosões no aeroporto e no metropolitano, deixaram a Europa em alerta e de coração na mão. Portugal não deixou de ficar abalado pela catástrofe ocorrida na manhã de hoje, 22 de Março. Por volta das 12 horas, as pessoas foram evacuadas da zona de check-in do aeroporto de Lisboa devido à existência de uma mala suspeita. No local permaneceram apenas agentes da autoridade.

A vigilância e a segurança foram reforçadas em locais e áreas onde a concentração de pessoas é mais intensa. Segundo o DN, no aeroporto da Portela, em Lisboa, foram vistos agentes armados com shotguns.

A secretária-geral do Sistema de Segurança Interna, a procuradora Helena Fazenda, que é responsável pelas forças em Portugal, declarou que todos os serviços que fazem parte da Unidade de Coordenação Anti-#Terrorismo estão a trabalhar em conjunto e a "acompanhar os acontecimentos que estão a decorrer em Bruxelas", estabelecendo contacto "com as suas congéneres e recolhendo todos os dados necessários" à avaliação do caso. O grau de ameaça continua sem sofrer alterações.

Exactamente há um mês, a 22 de Fevereiro, foi também encontrada uma mochila abandonada na estação dos comboios de Sete Rios. O alerta foi dado por volta das 9h30 e o centro de Inactivação de Explosivos e Segurança em Subsolo, informalmente conhecido como brigada de minas e armadilhas, realizou exames ao objecto. No entanto, não foi detectado nenhum motivo para alarme, confirmou ao Notícias ao Minuto o Comando Metropolitano da PSP de Lisboa, no dia do sucedido. Quando as autoridades chegaram no local para examinar a mochila, a área à volta foi vedada, porém a estação de Sete Rios não foi encerrada e os comboios e passageiros continuaram a circular normalmente. 

Entretanto foi anunciado que a GNR decidiu reforçar a vigilância junto às fronteiras e nas redes viária e ferroviária como medida de precaução depois dos atentados desta terça-feira de manhã em Bruxelas, disse à Lusa fonte do comando geral da guarda. #Polícia