Daniel Neves, de 18 anos, foi acusado de ter matado Filipe Diogo, de 14 anos, em Maio de 2015, em Salvaterra de Magos. Na sexta-feira, dia 22 de Abril, Daniel foi condenado pelo tribunal de Santarém a 17 anos e 6 meses de prisão efectiva. O Ministério Público caracterizou a pena aplicada ao jovem como “censura penal exemplar”.

O jovem foi acusado de homicídio qualificado e profanação de cadáver e terá de pagar aos pais da vítima a quantia de 145 mil euros. 

Raquel Matos, presidente do colectivo de juízes, não estabeleceu regime de protecção especial ao jovem (uma lei que permite uma atenuação da pena para menores de 21 anos), uma vez que Daniel tem sido apoiado pelo Estado ao longo dos últimos sete anos.

Publicidade
Publicidade

No entanto, de acordo com a juíza, o jovem nunca aproveitou o apoio do Estado para melhorar o seu comportamento. Segundo a juíza, o comportamento de Daniel teve algum peso na pena, juntamente com a “frieza” que mostrou em tribunal. O rapaz não mostrou arrependimento quando confessou o #Crime

Daniel Neves admitiu o crime, dizendo que nunca teve intenção de tirar a vida do seu amigo. Os seus advogados de defesa alegaram que o jovem sofre de doença bipolar e pediram junto do tribunal ajuda psiquiátrica, terapia e medicação.

A falta de antecedentes criminais, a sua idade e o facto de ter confessado o crime foram atenuantes para a pena de Daniel Neves.

Durante o julgamento, a juíza sublinhou a crueldade do crime, visto que o homicida usou um tubo metálico (ou barra de ferro), de acordo com o Expresso, para cometer o crime. Com este tubo, Daniel atingiu o adolescente de 14 anos com tamanha violência que a vítima ficou com fracturas no crânio.

Publicidade

Depois de matar, o jovem ocultou o cadáver dois dias após o crime. Acções que fizeram com que os advogados de acusação caracterizassem Daniel como “frio”.

A #Polícia Judiciária qualificou o crime como “frívolo”, visto que Filipe terá sido morto por Daniel, porque ele e outros 4 adolescentes invejavam os seus bens materiais (roupas e calçado).

A família da vítima vai recorrer da decisão, uma vez que, de acordo com a entrevista que a mãe de Filipe deu à comunicação social, consideram que 17 anos de prisão é pouco. A mãe da vítima disse que no seu recurso vai pedir uma pena no mínimo de 20 anos de prisão. #Justiça