No passado fim de semana foi divulgado nas #Redes Sociais um vídeo de um casal a ter relações sexuais num espaço público. O estranho desta história, e o que deixou todos de boca aberta, foi o facto de a mulher que surge no vídeo tê-lo feito em frente à filha menor de idade, que se encontrava com o casal. O caso já está a ser investigado pelas autoridades e a mãe arrisca-se a uma pena de prisão. O pai da criança, por sua vez, garante que vai pedir a guarda dos filhos.

Na tarde de sábado, aqueles que passeavam na praia fluvial do Tabuão, em Paredes de Coura, assistiram a uma cena lamentável. Um casal foi visto a ter relações sexuais em espaço público, estando ainda acompanhado de uma criança menor, que seria filha da mulher envolvida nesta situação.

Publicidade
Publicidade

Indignadas, as várias pessoas que por ali passaram filmaram todo o acontecimento e divulgaram nas redes sociais, alertando de imediato as autoridades.

Depois de identificados os intervenientes neste vídeo, bem como a criança, foi possível saber que esta mulher de Guimarães, de 41 anos, está separada há algum tempo do marido e no ano passado foi-lhe retirado um dos filhos, estando o mesmo agora institucionalizado. A menina que surge no vídeo será a filha mais nova desta mulher e terá apenas seis anos.

O pai da criança, em declarações ao Correio da Manhã, citadas pelo Diário de Notícias, adianta que ficou “revoltado e em choque ao ver o vídeo”, adiantando ainda: “Nunca pensei que ela fosse capaz de uma coisa destas”. Conforme o que se conseguiu apurar, o pai dos menores pretenderia pedir a guarda dos filhos de seis, nove e 14 anos.

Publicidade

Agora, esta mulher, que já estava sinalizada pela Comissão de Protecção de Crianças e Jovens de Guimarães, poderá vir a cumprir uma pena de três anos de prisão, por importunação sexual.

O Ministério Público e a Polícia Judiciária de Braga abriram um inquérito a toda esta situação. De referir que este trata-se de um crime público, que pode ser investigado sem necessidade de ser apresentada uma queixa formal. #Justiça #Insólito