Um jovem de 15 anos é suspeito da prática de um #Crime de homicídio, na forma tentada, ocorrido na madrugada do passado dia 19 de Agosto. Para além do adolescente, a Polícia Judiciária deteve, ainda, um outro suspeito de 31 anos. A vítima é um jovem de 29 anos que terá sido violentamente agredido com armas brancas. O caso aconteceu após desentendimentos entre os três indivíduos num estabelecimento de diversão nocturno, no concelho de Lamego.

Os factos remontam às cinco horas da madrugada do passado dia 19 de Agosto num estabelecimento de diversão nocturno naquele concelho do distrito de Viseu. Os dois suspeitos ter-se-ão envolvido numa discussão com a vítima, tendo sido violentamente agredido, no contexto dos desentendimentos, com recurso a armas brancas. Na ocasião, a ocorrência foi registada pelos agentes da Policia de Segurança Pública de Lamego que encaminhou a investigação para a Polícia Judiciária.

Através de um comunicado à imprensa, difundido esta terça-feira, 6 de Setembro, a Polícia Judiciária anunciou a identificação e detenção dos dois suspeitos, após uma investigação desencadeada pela Unidade Local de Investigação Criminal de Vila Real, com o apoio do Departamento de Investigação Criminal de Braga e da PSP de Lamego. Detenções realizadas na sequência do cumprimento de 5 buscas domiciliárias nas cidades de Braga e Lamego. Após terem sido sujeitos a interrogatório judicial, o suspeito de 31 anos ficou em prisão preventiva, enquanto o jovem de 15 anos ficou à guarda de um centro educativo, em regime fechado, informa a Polícia Judiciária.

Detido em Portimão

Entretanto, a mesma Polícia Judiciária anunciou, também em comunicado, a detenção de um homem, de 36 anos, igualmente suspeito da prática de um crime de tentativa de homicídio. Os factos remontam à madrugada do passado dia 1 de Setembro na cidade de Portimão, quando o suspeito se envolveu numa discussão com um jovem de 26 anos, tendo-o agredido, com uma faca, no pescoço. A investigação, a cargo do Departamento de Investigação Criminal de Portimão, chegou até ao homem, sobre o qual recai fortes indícios da prática do crime. O juiz de instrução criminal aplicou-lhe a medida de coacção mais gravosa, a prisão preventiva.